Jean M. Auel

FaceBook  Twitter  

A editora Clube do Autor publicou recentemente A Mãe Terra, 6º volume da magistral série Os Filhos da Terra, que a autora Jean M. Auel demorou 30 anos a escrever e foi a obra de uma vida.
Jean Marie Untinen Auel é uma escritora norte-americana, nascida em 1936, em Chicago, no estado do Illinois. Originária de uma família pobre, de imigrantes finlandeses, terminado o curso secundário, casou e foi mãe de cinco filhos. Mas não desistiu de estudar e exerceu diversas profissões para financiar os seus estudos universitários, que concluiu aos quarenta anos de idade. Apaixonada pelos tempos pré-históricos, decidiu então dedicar-se inteiramente à escrita. Após dois anos de pesquisas pormenorizadas, escreveu o livro O Clã do Urso das Cavernas, que foi publicado em 1980 e constituiu um sucesso imediato.

Embalada pelo êxito e pelas possibilidades económicas que as vendas lhe proporcionaram, viajou por toda a Europa, percorrendo os locais de habitação humana na Pré-História e recolhendo material para continuar a escrever. Assim nasceu a série Os Filhos da Terra, constituída pelo já referido O Clã do Urso das Cavernas (1980), O Vale dos Cavalos (1983), Os Caçadores de Mamutes (1985), Planícies de Passagem (1990), O Abrigo de Pedra (2002) e A Mãe Terra (2011). Conta a história de uma menina Cro-Magnon orfã, de nome Ayla, que é adotada por um clã de hominídeos Neanderthal de cariz tradicionalista e repleto de tabús. Tida como desadaptada, Ayla revolta-se e inicia uma viagem em que conhece novos povos e adquire conhecimentos que lhe permitem regressar e tornar-se na líder espiritual e na curandeira do seu povo das cavernas.

Sendo uma obra tão importante que foi traduzida para 35 idiomas e já vendeu mais de 45 milhões de exemplares em todo o mundo, teve em Portugal até agora um percurso algo atribulado. A Europa-América iniciou a sua publicação em 1982 e fez várias reedições, mas só chegou ao 4º livro. A Esfera dos Livros publicou O Clã do Urso das Cavernas em 2006, mas, ao que parece, ficou-se por aí. Se não estamos em erro, O Abrigo de Pedra, nunca chegou a ser editado em Portugal e os poucos exemplares que terão circulado no nosso país pertenciam a uma edição brasileira da Record.

Em boa hora o Clube do Autor decidiu recuperar Os Filhos da Terra. Desconhecemos a razão que levou a começar pelo último volume, mas desejamos que A Mãe Terra seja um êxito de vendas tal que decida a editora a lançar todo o conjunto dos seis volumes. É um conjunto de romances que o merece, pelas suas características em que alia a História ao romance e à fantasia, pelo rigor da investigação que os suporta e pela época pouco explorada em que a ação se situa. Jean M. Auel dá-nos a conhecer o nascimento da humanidade e os primórdios da civilização ocidental.

Com a devida vénia, aqui fica uma breve entrevista à autora que nos foi cedida pelo Clube do Autor, a propósito do novo lançamento:

É conhecida mundialmente pelo rigor científico com que escreve acerca das suas investigações arqueológicas. Quais são as suas fontes?

A maior parte da informação resulta de horas e horas de trabalho em bibliotecas, mas também tenho aprendido muito perguntando, frequentando cursos e viajando. Participei, por exemplo, num curso de sobrevivência no Ártico e num outro sobre os indígenas, em que aprendi, por um lado, como viviam e, por outro, como preservar a pele de veado e aproveitá-la para criar peças de vestuário. Frequentei igualmente alguns seminários para aprender a identificar plantas silvestres e também um curso de cozinha em que aprendi a utilizá-las. As capacidades da Ayla enquanto curandeira resultam de aprendizagens várias recolhidas em livros que ensinam a prestar os primeiros socorros, em manuais sobre ervas medicinais e naquilo que aprendi ao longo do tempo com médicos, enfermeiras, paramédicos, etc.

Neste livro, as pinturas rupestres ocupam um lugar de destaque. Visitou algumas das cavernas de que fala em A Mãe Terra?

Sim, visitei todas as cavernas descritas no livro e posso dizer que a sensação de ali estar é indescritível. No seu interior sente-se uma ligação muito forte com quem fez aquelas pinturas. Aliás, visitar esses locais faz parte do meu trabalho de investigação histórica, e é algo que me dá particular prazer. De todos os espaços que já tive oportunidade de visitar, destaco a visita ao Abrigo do Lagar Velho, na zona de Leiria, a primeira sepultura do Paleolítico Superior da Península Ibérica. Nesse local foi descoberto o «Menino do Lapedo», cujo esqueleto provou o contacto entre o homem de Neandertal e o Homem Moderno (Homo sapiens) e o cruzamento entre espécies.

Quanto de ficção e quanto de realidade encontramos na sua obra?

Embora baseados em factos reais, os meus livros são um trabalho de ficção. De há 30 000 anos restam-nos apenas alguns objetos feitos em pedra ou osso, ADN recolhido de alguns vestígios de sangue de animais ou pólen de plantas medicinais encontrado em túmulos dessa época.
É apaixonante investigar um esqueleto do Neandertal: estudando os seus ossos podemos descobrir, por exemplo, se o falecido perdera um olho quando era jovem, se fora amputado de um braço ou coxeava. Com estas características seria impossível, por exemplo, que este homem participasse na caça aos mamutes. E a partir daqui podemos questionar-nos: por que razão perdeu o braço? Quem lhe estancou a hemorragia? Como conseguiu sobreviver com estas limitações e chegar à velhice? Com certeza tinha alguém a seu lado, alguém que o amava. Ou será que a sua cultura protegia os mais débeis e desprotegidos? Em qualquer dos casos, facilmente se percebe que os nossos antepassados não eram brutos.

E depois deste livro, o que se segue?

Continuo a investigar e tenho já muitas ideias. Todavia, neste momento, não tenho qualquer plano em concreto. Mas não tenho dúvidas: vou continuar a escrever.

Últimas Opiniões

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização