Bem-vindo, Visitante
Username: Password: Memorizar

Perfil para Diogo Fontana (diogofontana)

diogofontana's Avatar
  • DESLIGADO
  • Nível: Fresh Boarder
  • Data de Registo: 08 Jul. 2015
  • Data da Última Visita: 13 Jul. 2015
  • Fuso Horário: GMT +0:00
  • Hora Local: 13:17
  • Mensagens: 11
  • Acessos ao Perfil: 481
  • Sobre Mim: Editor, livreiro e escritor.

Assinatura

Se você procura livros de altíssimo valor cultural, de grandes autores que têm muito a ensinar, conheça o projeto editorial da Danúbio: www.livrariadanubioeditora.com.br

Aprenda sobre literatura na obra-prima "A Cinza do Purgatório": carpeaux.livrariadanubioeditora.com.br
Mensagens

Recent Posts

Sem Mensagens
Time to create page: 0.471 seconds

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato