Bem-vindo, Visitante
Username: Password: Memorizar
  • Página:
  • 1

TÓPICO: O cetro do Guardião (ebook gratuito)

O cetro do Guardião (ebook gratuito) há 1 mês 1 semana #87733

  • terduraes
  • terduraes's Avatar
  • DESLIGADO
  • Junior Boarder
  • Romanciasta e poeta
  • Mensagens: 32
“O cetro do Guardião”, Saga “Os castros”, #2,Teresa Durães
Gratuito https://www.kobo.com/pt/pt/ebook/o-cetro-do-guardiao

“Subitamente ouvi um grito, virei-me e fiquei petrificada, ao longe, a invadir o carreiro que dava acesso ao castro, o mar lambia furioso o caminho, ondas violentas vinham, uma e outra e outra destruindo o que apanhavam pela frente. Comecei a vê-las na minha direção e a fugir vinha Telgio a gritar para mim.
O corvo anão lançou-se no ar e começou a grasnar, Perdida desatou a ladrar e começou a correr em direção do Guardião. Foi nessa altura que consegui reagir e segui a minha cadela o mais depressa que consegui, sem olhar para trás, sem querer ver aquelas ondas gigantes que se aproximavam vindas do outro extremo da praia, do lado errado, sem razão aparente, fugir de uma morte certa, eu que nem sabia nadar. “

Este é o segundo livro da saga "Os castros" tendo sido o primeiro "O encantamento do vento"
OcetrodoGuardio.jpg
"O fantástico não está fora do real, mas no sítio do real que de tão visível não se vê.", Vergílio Ferreira
O adminstrador desactivou a escrita pública.
  • Página:
  • 1
Moderadores: fbeatriz
Time to create page: 0.459 seconds

Últimas Opiniões

  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54
  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24

Uma Pequena Palavra...

“Um livro aberto é um cérebro que fala; fechado, um amigo que espera; esquecido, uma alma que perdoa; destruído, um coração que chora.”
Rabindranath Tagore