Bem-vindo, Visitante
Username: Password: Memorizar
  • Página:
  • 1

TÓPICO: "História dos Papas" de Juan María Laboa Gallego

"História dos Papas" de Juan María Laboa Gallego há 10 anos 3 meses #10825

  • vibarao
  • vibarao's Avatar
  • DESLIGADO
  • Administrator
  • Mensagens: 6991
  • Thank you received: 61

A Esfera dos Livros vai editar o livro História dos Papas de Juan María Laboa Gallego, um especialista em História da Igreja. O livro traça o retrato dos 267 papas que ocuparam a cadeira de São Pedro e o seu lançamento está previsto para o dia 26 de Abril.
A editora convidou o autor para vir Lisboa nos dias 3 e 4 de Maio, falar sobre homens santos como Leão I, o Grande, que enfrentou Átila, e reformadores como Gregório VII, grande defensor da Igreja face ao poder laico, guerreiros como Urbano II, que convocou a primeira cruzada, mecenas de arte como Júlio II, a quem se deve a decoração da Capela Sistina.
Mas também se sentaram na cadeira do poder papas considerados hereges como João XXII, Alexandre VI, que favorecia de forma escandalosa a sua família, Pio VII, prisioneiro de Napoleão, ou João Paulo I, que apareceu morto na sua cama depois de trinta e três dias de pontificado. Uma crónica completa que conta também a história de João XXI, o único papa português que morreu esmagado por um tecto, para alguns como castigo divino pela sua falta de apreço pelos religiosos dominicanos.
O adminstrador desactivou a escrita pública.

Re:"História dos Papas" de Juan María Laboa Gallego há 10 anos 3 meses #10837

  • Pedro-18
  • Pedro-18's Avatar
  • DESLIGADO
  • Gold Boarder
  • Mensagens: 275
Um livro que tenciono comprar!
Segundo a Minha Prof. de História: "Quem lê sabe mais"
O adminstrador desactivou a escrita pública.
  • Página:
  • 1
Moderadores: fbeatriz
Time to create page: 0.485 seconds

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato