Bem-vindo, Visitante
Username: Password: Memorizar
  • Página:
  • 1

TÓPICO: "O Segredo da Rainha Velha" de Fina d'Armada

"O Segredo da Rainha Velha" de Fina d'Armada há 10 anos 1 mês #14202

  • vibarao
  • vibarao's Avatar
  • DESLIGADO
  • Administrator
  • Mensagens: 6991
  • Thank you received: 61

Fina d'Armada estará este domingo, dia 13 de Junho, na Feira do Livro do Porto, a autografar livros seus editados pela Ésquilo, sobretudo o romance histórico "O Segredo da Rainha Velha".
Este livro trata de forma romanceada a vida pioneira de uma mulher portuguesa, a mais poderosa do séc. XV, que dirigiu a Ordem de Cristo e os Descobrimentos, tendo elaborado o primeiro tratado de globalização, que assinou com a sobrinha Isabel a Católica, rainha de Espanha. Depois de muitas peripécias, acabou por ver o seu filho no trono - D. Manuel I. O "Segredo" trata da sua relação com Cristóvão Colombo, baseada na teoria que ele seria filho do marido. "Rainha Velha" é como lhe chamava Gil Vicente.
Fina d'Armada estará no pavilhão da Ésquilo, A-20, para as bandas do Guarany, das 16 horas às 19 e poderá também autografar "O Livro Feminista de 1715 - O Primeiro Grito Revolucionário".
O adminstrador desactivou a escrita pública.
  • Página:
  • 1
Moderadores: fbeatriz
Time to create page: 0.482 seconds

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato