A Casa da Janela Azul

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: António Mota
Ilustração: Sebastião Peixoto
Género: Infantil
Edição: Mai/2017
Páginas: 64
ISBN: 9789892338545
Editora: ASA

 

 

O inverno chegou e tomou conta da natureza; e os animais estavam com sérias dificuldades em encontrar comida.
A dona Fofa pôs patas ao caminho em busca de alimento, deixando os filhos Bitó e Fabi na toca.
Mas a impaciência levou a melhor e estes depressa se lançaram no encalço da mãe.
Encontraram velhos e novos amigos, e também a casa da janela azul!

 Deste autor no Segredo dos Livros:
Trocas e Baldrocas
Histórias às Cores
O Anel Mágico

Autor:

António Mota nasceu em Vilarelho, Ovil, concelho de Baião, em 1957. Em 1979 publicou o seu primeiro livro, intitulado A Aldeia das Flores, e não mais parou de escrever. É atualmente um dos autores mais lidos e premiados da literatura infantojuvenil portuguesa, tendo cerca de noventa títulos publicados, e a sua vasta obra foi, em grande parte, selecionada pelo Plano Nacional de Leitura.
Recebeu vários prémios, dos quais se destacam o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (1983), para O Rapaz de Louredo, o Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens (1990), para Pedro Alecrim, o Prémio António Botto (1996), para A Casa das Bengalas, e o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, categoria «Livro Ilustrado» (2004), para Se Eu Fosse Muito Magrinho (com ilustrações de André Letria). Em 2008, foi agraciado pela Presidência da República com a Ordem da Instrução Pública. Em 2014, foi nomeado para o prémio ALMA por ser «um dos mais prolíficos escritores portugueses para a infância e juventude» e por a sua obra ter «a singular qualidade de ser ao mesmo tempo intemporal e universal». A nomeação repetiu-se na edição de 2015 deste que é um dos mais importantes prémios internacionais na área da literatura infantojuvenil.

Autor:

Sebastião Peixoto nasceu em Braga, em 1972. É licenciado em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Tem colaborado com várias editoras na ilustração de livros infantis, como O Avião Saltitão e O Chapéu Telepático, de Bénédicte Houart; O Homem da Nuvem Escura, de Inês Vinagre; Um Sonho de Gigante e A Árvore que não Sabia Sentir, de Pedro Sena-Lino; Quando eu for …Grande, de Maria Inês Almeida, A Lagarta Serafina, de Palmira Martins; O Palhaço Avaria, de Pedro Seromenho, entre muitos outros.
Além dos livros infantis (e outros, como Histórias Amorais para Crianças e Animais, de João Diogo Zagalo) tem publicado ilustrações na Revista Umbigo e na CRU. Tem realizado várias exposições dos seus desenhos e pinturas, sendo as mais
recentes as coletivas Sabichão, na Galeria Dama Aflita (Porto); Tornado, na Biblioteca Rocha Peixoto (Póvoa de Varzim); no GNRation (Braga) e What the hell is Bootsbau, na Galeria Bootsbau (em Berlim). É autor de dois blogues: Brufen 600 e Ritalina, este segundo dedicado aos trabalhos de ilustração infantil.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna