André e o Baile de Máscaras

FaceBook  Twitter  

 

 

Autora: Manuela Gonzaga
Género: Infantojuvenil
Coleção: O Mundo de André (Vol. 4)
Edição: Fev/2017
Páginas: 216
ISBN: 9789722533508
Editora: Bertrand

 

 

Na escola, André faz uma nova amiga: a misteriosa Formiga. Uma noite, ele recupera a Esfera Mágica e, mais uma vez, encontra-se num mundo desconhecido onde todos usam máscaras… animais misteriosos, pássaros gigantes, seres das grandes profundidades. No decorrer de um grande baile, André corre perigo de vida, mas Formiga aparece e salva-o. Só que ela tem uma missão secreta: com a ajuda de André, aceder à imensa Biblioteca, para encontrar a resposta que lhe pode mudar a vida.

Nesta quarta aventura, Vicência cai num sono prolongado e inexplicável. Sem ela, e sem o pai, que está sempre em viagens de trabalho, André, a mãe e a irmã tentam encontrar maneiras de se adaptar à sua nova vida em Lisboa. Mudaram novamente de casa, desta vez para melhor, e André anda mais interessado na escola e até fez uma nova amiga: a misteriosa Formiga. Só que, de repente, torna a ver-se mergulhado num mundo mágico, onde nada é o que parece.
Na companhia de Formiga, André vai tentar escapar à autoritária Masch Arylla, enquanto tenta entender as regras de uma corte em que toda a gente usa uma máscara. Conseguirão os dois jovens encontrar o caminho de regresso ao seu próprio mundo?

Faixa etária: 9 a 14 anos.

Desta autora no Segredo dos Livros:
Xerazade - A Última Noite

Autora:

Manuela Gonzaga nasceu no Porto e passou parte da adolescência e juventude em Angola e Moçambique. Mestre em História dos Descobrimentos e Expansão Portuguesa (FCSH da Universidade Nova de Lisboa), é investigadora associada ao CHAM (Centro História Além-Mar, Universidade Nova de Lisboa). Durante cerca de 30 anos exerceu o ofício de jornalista. É autora e coordenadora de Oficinas de Escrita, com conteúdos adequados a vários tipos de audiências. É autora de mais de uma dezena de livros, com êxitos editoriais como Doida Não e Não!, Imperatriz Isabel de Portugal e Xerazade - A Última Noite, entre outros.
Tem quatro filhos e dois netos, divide o seu tempo entre Lisboa e uma pequena aldeia alentejana e, desde 2000, dedica-se à escrita e à investigação a tempo inteiro.

Pode segui-la na sua página do Facebook.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato