Civilização e Outros Contos

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Eça de Queirós
Género: Contos / Juvenil
Edição: Fev/2018
Páginas: 264
ISBN: 9789897076008
Editora: Fábula

 

 

Eça de Queirós, no seu estilo inconfundível, foi um dos maiores contistas da literatura portuguesa.
Publicados em inúmeros jornais e revistas ao longo de toda a sua carreira jornalística, os contos de Eça de Queirós foram reunidos, pela primeira vez, em 1902. Como contista, Eça procurou explorar essencialmente temas históricos e reflexões sobre a condição humana.
Civilização, A Aia, O Tesouro, O Suave Milagre, Outro Amável Milagre, Singularidades de Uma Rapariga Loura, Frei Genebro, A Perfeição e José Matias, contos escolhidos para esta obra, demonstram a capacidade engenhosa do autor para criar personagens inesquecíveis em enredos simples e curtos.

«Como se vê, Eça de Queirós escreveu contos para todos os gostos, e o presente volume, que inclui uma seleção criteriosa e representativa, deve ser, por isso mesmo, lido, saboreado e desfrutado - e, claro, abrir o apetite para a restante obra do mestre.» in Prefácio de Maria do Rosário Pedreira

Idade-alvo: A partir dos 13 anos.

Extrato disponível aqui.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Os Maias

Autor:

José Maria Eça de Queiroz nasceu a 25 de novembro de 1845 na Póvoa de Varzim. Com 16 anos foi para Coimbra estudar Direito, tendo aí sido amigo de Antero de Quental. Os seus primeiros trabalhos, publicados publicados em fascículos na revista "Gazeta de Portugal", apareceram como coleção, publicada depois da sua morte, sob o título Prosas Bárbaras. Em 1869 e 1870, Eça de Queirós viajou ao Egito e visitou o canal do Suez que estava a ser construído, o que inspirou diversos dos seus trabalhos, entre os quais o Mistério da Estrada de Sintra, de 1870, e A Relíquia, apenas publicado em 1887. Em 1871 foi um dos participantes das chamadas Conferências do Casino. Mais tarde, foi trabalhar em Leiria como administrador municipal, onde escreveu a sua primeira novela realista da vida portuguesa, O Crime do Padre Amaro, que apareceu em 1875. Eça de Queirós passou os anos mais produtivos de sua vida em Inglaterra, como cônsul de Portugal em Newcastle e em Bristol. Escreveu então alguns dos seus trabalhos mais importantes, como A Capital. As suas obras mais conhecidas, Os Maias e O Mandarim, foram escritas em Bristol e Paris, respetivamente. O seu último livro foi A Ilustre Casa de Ramires, sobre um fidalgo do séc XIX com problemas para se reconciliar com a grandeza de sua linhagem. Foi também o autor da Correspondência de Fradique Mendes e A Capital, obra cuja elaboração foi concluída pelo filho e publicada, postumamente, em 1925. Fradique Mendes, aventureiro fictício imaginado por Eça e Ramalho Ortigão, aparece também no Mistério da Estrada de Sintra.
Faleceu em 1900 em Paris. Os seus trabalhos foram traduzidos em aproximadamente 20 línguas.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Nenhum Olhar
    Gostei da análise do Sebastião Barata.
  • 09.04.2020 08:06
  • Deixem Passar o Homem Invisível
    Dez anos depois de ter vencido o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB 2009, regressa em nova ...
  • 25.03.2020 23:36
  • O Caçador de Brinquedos
    Se gosta de ficção científica, não deixe de ler este livro! João Barreiros é considerado um dos ...
  • 12.03.2020 16:59

Últimos Tópicos

    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 semana 1 dia
    • Espaço para livros
    • Uma maneira simples e barata é embrulhá-los em rolo autoaderente, daquele que...
    • há 2 meses 5 dias
    • Melhores Livros De Romance
    • Obrigado pela partilha! Diversos desses livros têm nomes diferentes na edição...
    • há 2 meses 1 semana

Uma Pequena Palavra...

 "A beleza é diferente para cada um de nós. É como a felicidade. Cada um tem o seu conceito de felicidade."
Fernando Sobral in O navio do Ópio