Conspiração 365 - Maio

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autora: Gabrielle Lord
Coleção: Conspiração 365 (Vol. 5)
Edição: Mai/2011
Páginas: 200
ISBN: 9789896660963
Editora: Contraponto

 

 

Callum Ormond foi avisado. Ele tem apenas 245 dias…
Ouvem-se gritos por todo o lado. Cal foi internado num manicómio sob outra identidade e não faz ideia de quem o levou para ali. Como os médicos estão convencidos de que Cal – Ben Galloway – está a delirar, não fazem qualquer tenção de o libertar… e o perigo espreita dos dois lados das grades.

Preso numa camisa-de-forças, Cal vê-se impedido de se encontrar com o tio-avô Bartolomeu ou de resolver o Mistério Perigoso do Ormond... Ninguém acredita numa palavra do que ele diz – nem mesmo a verdade pode salvá-lo agora.
O relógio não pára. Cada segundo pode ser o último.
Uma aventura de cortar a respiração!

Pode consultar os livros anteriores desta série (Janeiro a Abril) no Segredo dos Livros

Autora:

Gabrielle Lord, autora premiada e uma das romancistas de thriller australianas de maior sucesso, começou a dedicar-se à escrita por volta dos trinta anos. Apesar do fracasso dos seus primeiros livros, as obras seguintes alcançaram reconhecimento a nível internacional e foram adaptadas à televisão, o que lhe permitiu passar a escrever a tempo inteiro. Dedicou-se a acompanhar cientistas, detectives e antropologistas forenses e a trabalhar numa empresa de segurança privada para se inspirar na sua escrita.
Conspiração 365, uma série de 12 volumes, é o seu maior sucesso.

Visite o site da coleção: http://www.conspiracy365.com/
Mais informações em: http://conspiracao365.blogspot.com

Comentários  

 
#1 Patrícia Matos 2011-06-18 21:39
A grande aventura de Callum Ormond continua no mês de Maio surpreendente e cheia de surpresas. Chegamos ao quinto volume da Série Conspiração 365, não encontramos repetições, mas, pelo contrário, deparamo-nos com uma leitura envolvente e totalmente contagiante.

Neste volume, Cal vê-se na sala de um manicómio, preso por uma camisa-de-força s e com outra identidade. Os médicos estão convencidos de que Cal é Bem Galloway e este não consegue provar o contrário. Quanto mais fala sobre a sua verdadeira identidade e sobre a perseguição a que tenta escapar desde a morte do seu pai, mais rapidamente os médicos confirmam que Cal necessita dos seus cuidados médicos.
Preso num inferno e sem qualquer hipótese de contacto com o exterior, Cal desespera. Todo o tempo é precioso para decifrar o enigma de Ormond e conseguir encontrar-se com o seu Tio-avô Bartolomeu. Resta–lhe ficar atento a um momento oportuno, para conseguir chegar a um telefone e ligar ao seu amigo Boges, para lhe pedir ajuda.

Conspiração 365 – Maio é, sem dúvida, uma leitura espantosa e aliciante. Do início ao fim, deparamo-nos com páginas repletas de acção, mistério, perigos e muita emoção. Quanto mais lemos, torna-se cada vez mais difícil parar. Mais uma vez, Gabrielle Lord apresenta-nos uma escrita leve e cativante.
Alguns mistérios começam a fazer sentido. Continuam a surgir situações imprevisíveis, que nos deixam completamente arrebatados.
Um ponto alto deste volume é o aparecimento de uma nova e importante personagem. No fim, ficámos emocionados com a angústia de Cal, por voltar a perder alguém importante na sua vida.
O volume seguinte conspiração 365 – Junho já se encontra à venda nas livrarias.
Recomendo.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 1640 - O poeta, A professa, O Prosador, O pregador
    Ao iniciar o comentário a este livro, lanço um desafio matemático ao meus leitores: dividam o título ...
  • 13.01.2018 22:52
  • O Veleiro de Cristal
    Neste livrinho, José Mauro de Vasconcelos retoma o género de histórias de "O Meu Pé de Laranja Lima" ...
  • 09.01.2018 12:49
  • Sinal de Vida
    Desconheço se o tipo de comentários que se fazem neste forum são do mesmo género dos existentes, por ...
  • 27.12.2017 21:26

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização