Histórias às Cores

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: António Mota
Ilustração: Paulo Galindro
Edição: Set/2012
Páginas: 32
ISBN: 9789892321431
Editora: Gailivro

 

 


História às Cores
é o trigésimo livro da coleção Obras de António Mota, e um número assim merece um livro especial. António Mota presenteia-nos com oito histórias, brilhantemente ilustradas por Paulo Galindro, que vão fazer as delícias de adultos e graúdos. Abram A Caixa, comam O Melhor Doce do Mundo e não se deixem assustar por A Bruxa, o Fantasma e o Monstro, e deixem-se cercar pelo imaginário maravilhoso que António Mota e Paulo Galindro nos oferecem.

Do autor no Segredo dos Livros:
O Anel Mágico

Autor:

António Mota nasceu em Vilarelho, Ovil, concelho de Baião, em 1957. Em 1979 publicou o seu primeiro livro, intitulado A Aldeia das Flores, e não mais parou de escrever. É atualmente um dos autores mais lidos e premiados da literatura infantojuvenil portuguesa, tendo cerca de noventa títulos publicados, e a sua vasta obra foi, em grande parte, selecionada pelo Plano Nacional de Leitura.
Recebeu vários prémios, dos quais se destacam o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (1983), para O Rapaz de Louredo, o Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens (1990), para Pedro Alecrim, o Prémio António Botto (1996), para A Casa das Bengalas, e o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, categoria «Livro Ilustrado» (2004), para Se Eu Fosse Muito Magrinho (com ilustrações de André Letria). Em 2008, foi agraciado pela Presidência da República com a Ordem da Instrução Pública. Em 2014, foi nomeado para o prémio ALMA por ser «um dos mais prolíficos escritores portugueses para a infância e juventude» e por a sua obra ter «a singular qualidade de ser ao mesmo tempo intemporal e universal». A nomeação repetiu-se na edição de 2015 deste que é um dos mais importantes prémios internacionais na área da literatura infantojuvenil.


Autor:

Paulo Galindro nasceu em 1970. Cresceu menino-pintor em cima de um lençol de papel, ao som das máquinas de impressão da gráfica onde o seu pai António trabalhava. O cheiro das tintas e a imensa brancura do papel despertaram-lhe as vocações de arquiteto, sonhador, artista e astronauta. É autor de diversos livros ilustrados, feitos em parceria com alguns dos mais importantes escritores nacionais e internacionais, como Luís Sepúlveda, António Mota, David Machado, entre outros. Viu a sua obra premiada por diversas vezes. Juntamente com Natalina Cóias criou o coletivo de ilustração Pintarriscos.

Saiba mais em paulogalindro.com

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2012-12-12 17:37
Na contracapa deste livro está escrito: "(...) histórias (...) que vão fazer as delícias de adultos e graúdos".
Primeiro pensei:
- Ao que chegámos, com as editoras a poupar nas revisões! Deviam querer dizer "miúdos e graúdos".
Mas depois questionei o meu pensamento:
- Um livro especial, comemorativo... A editora não ia deixar passar uma coisa destas na capa. "Aqui há gato".
Li o livro, e repensei:
- De facto, não me parecem histórias infantis; o cenário é, realmente, o mundo das crianças, mas o estilo não.
E concluí:
- Os "graúdos" são os adolescentes e jovens. Por isso, está bem escrever "adultos e graúdos". Ou há mesmo gralha?!...

Em resumo: é um livro de pequenos contos divertidos, mas educativos; histórias simples, mas sumarentas. Para crianças dos 10 aos 100 anos... As ilustrações vão na mesma linha.

Que o António Mota nos continue a deliciar com as suas histórias, são os meus votos.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

 "A beleza é diferente para cada um de nós. É como a felicidade. Cada um tem o seu conceito de felicidade."
Fernando Sobral in O navio do Ópio