Minore e a Magia das Cores

FaceBook  Twitter  

 

 

Autora: Catarina Raminhos
Ilustração: Patrícia Furtado
Género: Infantil
Edição: Jun/2019
Páginas: 40
ISBN: 9789897801365
Editora: Oficina do Livro

 


A Minore é uma menina muito determinada e que facilmente vira tudo do avesso, mas é também uma fonte de doçura e bondade.
É atenta a tudo o que a rodeia e os problemas ou sentimentos dos outros não lhe passam despercebidos.
Para ajudar a resolver cada situação, a Minore inspira-se no poder das cores, usando os lápis de cera, que carrega consigo todos os dias no bolso ou na mochila.

A Minore é a pequena que faz magia com o coração e que consegue sempre encontrar o arco-íris… até nas mais pequenas coisas.

Autora:

Catarina Raminhos é licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa e sempre esteve ligada à escrita. Já trabalhou em jornais e foi editora de conteúdos em televisão mas, neste momento, está dedicada ao universo dos livros. Tem o blogue 7 da tarde e ainda não lavei os dentes e uma das contas de Instagram mais interativas do país. É mãe de três filhas e, como tal, nunca lhe falta assunto para escrever - só tempo, mas vai tentando contornar isso. Minore e a Magia das Cores é o seu primeiro livro infantil.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato