Na maior há dez mil anos

FaceBook  Twitter  

 

 

  

Autor: Nuno Caravela
Série: O Bando das Cavernas (Vol. 1)
Edição: Out/2012
Páginas: 128
ISBN: 97898970-1065
Editora: Booksmile

 

Este livro, vindo dos confins do tempo, está cheio de aventuras e de gargalhadas. Tudo por causa de um grupo muito especial de amigos: o Tocha, a Ruby, o Menir, o Kromeleque, o Tzick e o Sabre. Eles são o Bando das Cavernas!

Vais divertir-te com as suas peripécias, enquanto eles viajam no mamute escolar, têm uma aula louca com o professor Pi, jogam futebol da Pré-História e vivem uma aventura alucinante no Vale dos Rochedos, com pinturas rupestres e vespas-falcão à mistura. Ah! E não percas o concerto rock da Idade da Pedra, no fim de ano espetacular do grupo!

Idade alvo: a partir dos 7 anos

Autor:

Nuno Caravela nasceu em Lisboa a 1 de agosto de 1968. Frequentou o I.A.D.E e o AR.CO. Centro de Arte e Comunicação e iniciou a carreira de autor e ilustrador em 1992. Em paralelo exerceu funções de criativo durante seis anos em agências de publicidade, foi durante sete anos autor e coordenador de edição do projeto «Escola Global - A Tradição na Sala de Aulas», destinado à recuperação de Contos Tradicionais Portugueses. Desde então tem desenvolvido inúmeros projetos na área da literatura infantil, em parceria com algumas das mais conceituadas editoras portuguesas.
O Bando das Cavernas é a coleção de maior sucesso de Nuno Caravela, que soma 250 mil exemplares vendidos em Portugal (em nov/2017).

Saiba mais sobre o autor e a coleção em www.facebook.com/obandodascavernas

Vê aqui o booktrailer:

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2012-12-21 17:06
Começo por falar da série. "O Bando das Cavernas" é uma série bem disposta, cheia de aventuras, de sérios e brincalhões, bons e marotos, azarados e felizardos. Tem muita ilustração e destaques no texto com palavras ou grupos de palavras salientes e sugestivas. Para terem um termo de comparação, pensem em "O Diário de um Banana", "Freak Street", "Diário de uma Totó", "7 Irmãos" ou "Escola" de James Paterson. A editora recomenda para crianças a partir dos 7 anos, mas, na minha opinião, é mais aconselhável para crianças do 2º ciclo, a partir dos 9 ou 10 anos.

Este volume é o primeiro da série e começa por nos dar a conhecer os protagonistas, enquanto se preparam para a sua viagem de mamute, o autocarro escolar, no início do ano escolar de 10.000 A.C. Apesar da distância no tempo, é uma perfeita imitação da vida nas escolas do nosso tempo, com os grupos rivais, a ridicularização dos professores e empregados da escola, os mauzões que acabam sempre por ser castigados.
Um livro e uma série muito interessante e bem disposta, com a vantagem de ser escrita por um autor português, também seu ilustrador.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato