O Anel Mágico

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: António Mota
Ilustração: Rute Reimão
Edição: Mar/2012
Páginas: 32
ISBN: 9789895579525
Editora: Edições Gailivro

 


Era uma vez um rapaz que vivia com a mãe num casebre muito velho. Lá dentro pouco ou nada havia para comer. Farto de tanta pobreza, cansado de adormecer com fome e acordar sem ter nada em que ferrar o dente, o rapaz despediu-se da mãe e pôs-se a correr mundo. Andou, andou, andou até que chegou a uma grande cidade e encontrou uma velhinha que subia uma rua carregando dois enormes baldes cheios de água com grande sofrimento.

O rapaz teve pena da velhinha e resolveu ajudá-la. E ela reconhecida, ofereceu-lhe um cão, um gato e um anel mágico que o ajudaram a mudar de vida.

 Faixa etária: A partir dos 7 anos.

Autor:

António Mota nasceu em Vilarelho, Ovil, concelho de Baião, em 1957. Em 1979 publicou o seu primeiro livro, intitulado A Aldeia das Flores, e não mais parou de escrever. É atualmente um dos autores mais lidos e premiados da literatura infantojuvenil portuguesa, tendo cerca de noventa títulos publicados, e a sua vasta obra foi, em grande parte, selecionada pelo Plano Nacional de Leitura.
Recebeu vários prémios, dos quais se destacam o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (1983), para O Rapaz de Louredo, o Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens (1990), para Pedro Alecrim, o Prémio António Botto (1996), para A Casa das Bengalas, e o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, categoria «Livro Ilustrado» (2004), para Se Eu Fosse Muito Magrinho (com ilustrações de André Letria). Em 2008, foi agraciado pela Presidência da República com a Ordem da Instrução Pública. Em 2014, foi nomeado para o prémio ALMA por ser «um dos mais prolíficos escritores portugueses para a infância e juventude» e por a sua obra ter «a singular qualidade de ser ao mesmo tempo intemporal e universal». A nomeação repetiu-se na edição de 2015 deste que é um dos mais importantes prémios internacionais na área da literatura infantojuvenil.


Autora:

Rute Reimão nasceu em Luanda, em 1972, mas cresceu no Estoril. Em 1993, licenciou-se em Design de Comunicação pelo IADE. Frequentou, ainda, o Curso de Desenho da Sociedade Nacional de Belas Artes. Foi como designer gráfica, que se iniciou na agência de publicidade “MKT”. Em 1995, entrou para o jornal “Semanário” e começou a ilustrar textos de comentário político dos jornalistas Torcato Sepúlveda e João Mesquita. Na sequência dessas ilustrações, foi convidada pelo arquitecto Jorge Burnay para fazer 13 painéis de grandes dimensões, sobre a actividade dos Paparazzi, para o espaço com o mesmo nome, situado nas Docas, em Lisboa (hoje “Doca Peixe”). A par disso, fez também as ilustrações para a capa da revista “Economia Pura”. Em 1999, foi convidada para sub-editora do jornal “A Capital”. Em 2001, fundou a “Alémtudo, design e publicidade”, onde, em parceria com Aníbal Fernandes, faz diariamente o cartoon do “Jornal de Notícias”, “Elias, o sem abrigo”. Tem ilustrado diversos livros infantis, participado em várias exposições individuais e orientado workshops para crianças.

Saiba mais em reimao.blogspot.com

Comentários  

 
+1 #1 Sebastião Barata 2012-04-20 22:12
Temos aqui um livro muito interessante. O texto está escrito numa linguagem adequada ao público alvo e conta uma história cheia de imaginação, na qual se salienta o valor da lealdade e da amizade.
As ilustrações são invulgares, uma vez que foram feitas à base de recortes de pano, misturados com recortes de papel, nomeadamente de documentos antigos em papel selado.
Um livro muito interessante, volto a repetir, que aconselho aos pais e educadores de crianças em idade escolar.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Começada um dia a leitura, impõe-se levá-la até ao fim. Assim me educaram e nessa pertinência me reconheço. Propus-me um livro? Há que lê-lo!"
Mário de Carvalho in Um deus passeando pela brisa da tarde