O Balão do Menino Nicolau e outras histórias inéditas

FaceBook  Twitter  


Autor: Jean-Jacques Sempe, René Goscinny
Edição/reimpressão: 2009
Editor: Editorial Teorema
 
Sempé ilustra textos inéditos de Goscinny no 50º aniversário do Menino Nicolau

Eis dez histórias que nunca foram publicadas. Pela primeira vez, o Menino Nicolau e os seus amigos fazem-nos rir a cores.

Mais de setenta aguarelas de Sempé estão aí para ilustrar os textos inéditos de Goscinny.

Será possível imaginar uma surpresa melhor para festejar o 50.º aniversário da criação do Menino Nicolau?

O humor, a humanidade, a ternura e a simplicidade da inesquecível escrita de Goscinny, aliados ao genial traço de Sempé, criam uma imagem da infância em que os mais novos se reconhecerão e os mais velhos revisitam certamente com saudade.

Autores:

Jean-Jacques Sempé nasceu em Bordéus, a 17 de Agosto de 1932. Foi um aluno “mal-comportado”…e, aos 19 anos, já se dedicava ao desenho humorístico. Colaborador de revistas como Paris-Match, L’Express e Punch, é autor de muitos (excepcionais!) álbuns. É também o “pai” do Menino Nicolau.

René Goscinny
nasceu em Paris, a 14 de Agosto de 1926, e faleceu em 1977. Colaborador da revista Pilote, teve um “filho” ilustre, que dá pelo nome de Astérix

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Quem escreve lembra-me o afogado que desesperado esbraceja para vir à tona. O escritor é isso que faz. Dentro de si, por uma razão qualquer, escasseia o ar. Então, ofegante, arruma o pensamento de acordo com o que as palavras lhe permitem, e assim respira e alivia a sua angústia."
Nuno Lobo Antunes