O Veleiro de Cristal

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: José Mauro de Vasconcelos
Coleção: Obras de José Mauro de Vasconcelos
Género: Infantil
Edição: Nov/2017
Páginas: 112
ISBN: 9789898839947
Editora: Fábula

  



Contada com a mestria que carateriza José Mauro de Vasconcelos, esta é uma história comovente e apaixonante que toca o coração do leitor.

Edu é um menino de treze anos que, apesar das suas limitações físicas, ama a vida e respira esperança. Um dia, a sua querida tia Anna convida-o para passar uma temporada com ela na casa da praia. Será bom para Edu poder descansar junto ao mar, num ambiente tranquilo. Edu fica maravilhado e imagina que aquela casa é um Veleiro de Cristal, um barco brilhante que ele poderá velejar para viver aventuras inimagináveis.

Ao leme do Veleiro de Cristal, feliz entre a realidade e a fantasia, Edu descobre alguns amigos muitos especiais. O tigre Gabriel, a coruja Mintaka e o sapo Bolitrô são os seus companheiros nesta viagem encantadora pelos mares do sonho, da descoberta e da imaginação.
Uma narrativa emocionante, escrita por José Mauro de Vasconcelos, vencedor do Prémio Jabuti de Romance, o mais importante prémio literário brasileiro.

Idade-alvo: A partir dos 12 anos

Vê um excerto do livro aqui.

Deste autor no Segredo dos Livros:
O Meu Pé de Laranja Lima

Autor:

José Mauro de Vasconcelos nasceu no Rio de Janeiro em 1920 e faleceu em São Paulo em 1984.
Descendente de portugueses, o autor teve vários empregos durante a adolescência, viajando depois por todo o Brasil e por vários países europeus.
O seu primeiro grande êxito foi Rosinha, Minha Canoa (1962). Em 1968 publicou o seu livro mais conhecido, O Meu Pé de Laranja Lima, que já foi adaptado para televisão, cinema e teatro.
Pelo conjunto da sua obra é hoje considerado um autor clássico da literatura juvenil brasileira do século XX.

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2018-01-09 12:49
Neste livrinho, José Mauro de Vasconcelos retoma o género de histórias de "O Meu Pé de Laranja Lima", publicado cinco anos antes. Tal como neste, conta-nos a história enternecedora de uma criança que fala com os animais, as plantas e outras coisas. Em "O Veleiro de Cristal" apresenta-nos uma criança deficiente, da qual os pais se envergonham perante a sociedade, mas com dois outros filhos que são o seu orgulho. Edu, que é deficiente físico mas muito inteligente, chega a ser internado numa instituição para crianças atrasadas mentais. Felizmente, aparece na sua vida Anna, a tia que acaba de sair de uma desilusão amorosa e encontra nos cuidados com o sobrinho a sua hipótese de recuperação e redenção.
Este é o substrato da história maravilhosa que a criança vive (ou imagina viver, acabamos por não saber bem) numa bela mansão à beira da praia, na companhia da sua adorada tia, enquanto se prepara para uma melindrosa operação ao coração, à qual poderá não sobreviver. Encontramos um sábio tigre de bronze que ganha vida de noite, uma coruja embalsamada muito rabugenta e um sapo vaidoso, que vão ajudar Edu numa viagem por mares e ares, no qual sonha ser uma criança saudável, tal como os seus irmãos.

Escrito numa linguagem simples adequada aos adolescentes, este é um livro que enternece e emociona leitores de todas as idades e alerta para os direitos dos deficientes. Confesso que terminei de lágrima ao canto do olho.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Não ler, pensei, era como fechar os olhos, fechar os ouvidos, perder sentidos. As pessoas que não liam não tinham sentidos. Andavam como sem ver, sem ouvir, sem falar."
Valter Hugo Mãe in Desumanização