O Veleiro de Cristal

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: José Mauro de Vasconcelos
Género: Infantil
Edição: Nov/2017
Páginas: 112
ISBN: 9789898839947
Editora: Fábula

 

 


Contada com a mestria que carateriza José Mauro de Vasconcelos, esta é uma história comovente e apaixonante que toca o coração do leitor.

Edu é um menino de treze anos que, apesar das suas limitações físicas, ama a vida e respira esperança. Um dia, a sua querida tia Anna convida-o para passar uma temporada com ela na casa da praia. Será bom para Edu poder descansar junto ao mar, num ambiente tranquilo. Edu fica maravilhado e imagina que aquela casa é um Veleiro de Cristal, um barco brilhante que ele poderá velejar para viver aventuras inimagináveis.

Ao leme do Veleiro de Cristal, feliz entre a realidade e a fantasia, Edu descobre alguns amigos muitos especiais. O tigre Gabriel, a coruja Mintaka e o sapo Bolitrô são os seus companheiros nesta viagem encantadora pelos mares do sonho, da descoberta e da imaginação.
Uma narrativa emocionante, escrita por José Mauro de Vasconcelos, vencedor do Prémio Jabuti de Romance, o mais importante prémio literário brasileiro.

Idade-alvo: A partir dos 12 anos

Vê um excerto do livro aqui.

Deste autor no Segredo dos Livros:
O Meu Pé de Laranja Lima

Autor:

José Mauro de Vasconcelos nasceu no Rio de Janeiro em 1920 e faleceu em São Paulo em 1984.
Descendente de portugueses, o autor teve vários empregos durante a adolescência, viajando depois por todo o Brasil e por vários países europeus.
O seu primeiro grande êxito foi Rosinha, Minha Canoa (1962). Em 1968 publicou o seu livro mais conhecido, O Meu Pé de Laranja Lima, que já foi adaptado para televisão, cinema e teatro.
Pelo conjunto da sua obra é hoje considerado um autor clássico da literatura juvenil brasileira do século XX.

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2018-01-09 12:49
Neste livrinho, José Mauro de Vasconcelos retoma o género de histórias de "O Meu Pé de Laranja Lima", publicado cinco anos antes. Tal como neste, conta-nos a história enternecedora de uma criança que fala com os animais, as plantas e outras coisas. Em "O Veleiro de Cristal" apresenta-nos uma criança deficiente, da qual os pais se envergonham perante a sociedade, mas com dois outros filhos que são o seu orgulho. Edu, que é deficiente físico mas muito inteligente, chega a ser internado numa instituição para crianças atrasadas mentais. Felizmente, aparece na sua vida Anna, a tia que acaba de sair de uma desilusão amorosa e encontra nos cuidados com o sobrinho a sua hipótese de recuperação e redenção.
Este é o substrato da história maravilhosa que a criança vive (ou imagina viver, acabamos por não saber bem) numa bela mansão à beira da praia, na companhia da sua adorada tia, enquanto se prepara para uma melindrosa operação ao coração, à qual poderá não sobreviver. Encontramos um sábio tigre de bronze que ganha vida de noite, uma coruja embalsamada muito rabugenta e um sapo vaidoso, que vão ajudar Edu numa viagem por mares e ares, no qual sonha ser uma criança saudável, tal como os seus irmãos.

Escrito numa linguagem simples adequada aos adolescentes, este é um livro que enternece e emociona leitores de todas as idades e alerta para os direitos dos deficientes. Confesso que terminei de lágrima ao canto do olho.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Xogum - O Senhor do Japão
    Há dois anos, por estes dias, estava eu a comentar "O Samurai Negro", 1º volume desta trilogia. Muitos ...
  • 14.06.2018 20:50
  • Na Memória dos Rouxinóis
    Há alguns dias, alguém se insurgia, numa resposta a um comentário no Facebook, contra a moda dos ...
  • 08.04.2018 22:26
  • A Febre das Almas Sensíveis
    "A Febre das Almas Sensíveis" é um romance histórico escrito de uma forma bastante diferente daquilo ...
  • 11.03.2018 20:01

Últimos Tópicos

    • 16 de julho
    • Sou a Joana e faço anos a 16 de julho. Sou caranguejo...
    • há 2 meses 4 semanas

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna