A Lista de Prioridades

 

 

Autor: David Menasche
Edição: Mar/2015
Páginas: 224
ISBN: 9789896684044
Editora: Nascente

 

 

 

O professor David Menasche tinha 34 anos quando lhe foi diagnosticado um tumor cerebral. Durante 6 anos submeteu-se a diversos tratamentos, na esperança de ultrapassar a doença.
Até ao dia em que ficou paralisado de um braço e praticamente cego. Perdeu uma parte da memória e, pior, perdeu a capacidade de ensinar. Naquela que seria a decisão mais dolorosa da sua vida, abandonou o ensino e os seus alunos.

No entanto, convicto de que queria viver o tempo que ainda lhe restava com dignidade e autonomia, David Menasche interrompeu os tratamentos e partiu numa viagem inspiradora pelos EUA, levando apenas a sua bengala e, às costas, a sua mochila.
Acolhido por antigos estudantes seus, ultrapassou obstáculos, viveu experiências memoráveis, aprendeu lições de valor incalculável e tornou-se, ele próprio, um aluno.
O cancro acabaria por vencer a batalha, mas ele nunca deixou, verdadeiramente, de viver.

Leia as primeiras páginas aqui.

Autor:

«O cancro não ia escrever o último capítulo da minha vida. Eu ainda conseguia escrever, muito obrigado!
Decidi que ia interromper todos os tratamentos e fazer a viagem. Tinha descoberto a minha própria cura para o cancro: ser saudável, ser feliz e ter um objetivo. Não importava quanto tempo eu duraria. Importava a forma como gastava o meu tempo. Já estava a imaginar-me a viajar por este magnífico país fora, experienciando os lugares que sempre quisera ver e visitar, com as pessoas que tanto tinham enriquecido a minha vida nos últimos 15 anos em que ensinei, pessoas que eu amava e que me amavam — os meus alunos.
Não precisávamos de uma sala de aula para aprendermos uns com os outros. Contar-lhes-ia histórias e pedir-lhes-ia que me contassem as suas.»
David Menasche

Veja aqui o booktrailer:

Comentários  

 
#3 Cristina Delgado 2015-04-21 19:18
Como há tanto a aprender com os outros, com as suas vidas!
Esta leitura foi feita num abrir e fechar de olhos, mesmo sabendo que a pessoa descrita já não se encontra entre nós. Os testemunhos dos que foram seus alunos fizeram-me refletir sobre quanto uma vida pode influenciar outras, tanto positiva como negativamente.
Gostei de ler. Nota 5 para o Prof. Menasche!
 
 
#2 Joana Cardoso 2015-04-10 07:40
Este é um livro que parece bom demais para ser verdade. Isto, na medida em que, ao longo da minha vida, eu tive realmente professores simpáticos e com quem me dava bem, mas acho que nunca encontrei nenhum que tivesse a capacidade de me fazer sentir da maneira que os alunos de Menasche se sentiam durante as suas aulas. Ele é descrito como o professor ideal e, como eu nunca encontrei nenhum assim, pois os que apanhei tinham sempre algo em falta, torna-se difícil acreditar nesta pessoa que nos é apresentada.

De qualquer modo, este é um livro de força e superação. Esta pessoa que vê o seu sonho de ensinar, de inspirar pessoas ser destruído pelo cancro, aprende que apenas agarrando o momento somos capazes de viver a vida da forma que ela merece. Que devemos viver o tempo que temos disponível, em vez de lutarmos para sobreviver.

Menasche, ao aperceber-se desta situação, decide fazer uma viagem onde vai visitar os seus estudantes, ver de que forma os inspirou e como é que isso afectou as suas vidas. Acaba por perceber que muitos deles, se não a maioria, saiu-se bastante bem, devido ao comportamento que Menasche teve para com eles quando eram apenas adolescentes influenciáveis. A maneira que este encontrou para perceber os seus alunos, foi através da lista de prioridades, algo que cada um de nós devia ter a sensatez de fazer de vez em quando, de modo a tentar perceber em que ponto da vida estamos.

Este livro mostra-nos também que, apesar da nossa condição física, o nosso estado de espírito é importante, quando se trata de viver o melhor que conseguimos. Apesar de todas as dificuldades do início, e das demais que vão aparecendo ao longo da sua viagem, Menasche não desiste e vai aprendendo algumas lições ao longo do seu caminho. Nomeadamente que não é vergonha aceitar ajuda de outras pessoas, mas que é uma bênção ter quem se preocupe connosco e que devemos agradecer de todo o coração às pessoas que só nos querem ver bem. O orgulho não é uma coisa bonita e, em caso de necessidade, devemos aprender a ser humildes.

Ao longo da narrativa, vamos ainda sendo presenteados com pequenos textos escritos ou ditados pelos antigos alunos de Menasche e que são mais concretos e directos, na forma como explicam de que forma o seu professor os tocou.

Apesar de todo o livro me ter parecido um pouco surreal, a verdade é que é um livro interessante e com uma mensagem que não deixa de ser bonita e actual.
 
 
#1 Vera Neves 2015-03-23 15:23
Qualquer pessoa que, num qualquer momento da sua vida, já tenha sido aluno, desejou encontrar um professor como aquele que conhecemos neste livro. Não é fácil colocar por palavras as emoções e os sentimentos contraditórios que "A Lista de Prioridades" nos faz sentir.

David Menasche quis desde sempre ser professor e fornecer aos seus alunos as bases que lhes permitissem decidir, escolher e seguir um caminho, ao longo das suas vidas. Estimulá-los, fazê-los pensar, dar-lhes as ferramentas para que pudessem fazer opções e lutar pelos seus objetivos. Pelos relatos dos seus ex-alunos, transcritos para o livro e presentes ao longo de toda a leitura, pode dizer-se que o conseguiu fazer e com distinção. É notória a influência que O professor teve na vida de dezenas de pessoas que deram o seu testemunho e ver como ele as inspirou a seguir determinado caminho.

Seis anos após lhe ter sido diagnosticado um tumor cerebral e após cirurgia, dezenas de sessões de quimioterapia e radioterapia, sem nunca ter deixado de dar aulas, David Menasche tem uma recaída e acaba por perder grande parte da visão, autonomia e mobilidade. Então, vê-se obrigado a deixar de lecionar e, nesse período, é obrigado a fazer um balanço: sente que aguentou tudo até aí, porque os seus alunos precisavam dele e ele próprio precisava deles. Analisando as circunstâncias, toma a decisão de fazer uma viagem pelos EUA, visitar ex-alunos e perceber o impacto que teve nas suas vidas. Os constrangimento s e as dificuldades são mais que muitas, mas ele decide que precisa desta viagem e que prefere morrer a tentar, do que não a fazer. Abandona os tratamentos e parte nesta aventura, depois de ter publicado no Facebook a sua intenção. Dezenas de alunos responderam ao seu apelo e ofereceram-se para o receber.

Este livro conta-nos um pouco da vida de David, das suas escolhas, da sua família, dos seus sonhos e objetivos, das suas prioridades. Conta-nos os seus 101 dias de viagem, com passagem por dezenas de cidades de toda a América em visita a dezenas de ex-alunos. É comovente, emocionante e inspirador.

O autor consegue transmitir por palavras a paixão que sempre teve pelo ensino e tudo o que ele representa para si. Faz-nos refletir e repensar as nossas próprias escolhas e decisões. Um livro que poderia facilmente ser adaptado para filme e que deveria ser lido por todos. Recomendo sem reservas.

Nota: A título de curiosidade, o título do livro está relacionado com a Lista de Prioridades, o exercício que David fazia com os seus alunos e que marca o estilo da sua intervenção.
David Menashe faleceu a 20 de Novembro de 2014 e, acredito, com o sentimento de dever cumprido. Que descanse em paz.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Compro e leio os livros de José Rodrigues dos Santos que considero de ficção científica, porque gosto ...
  • 15.11.2019 22:00
  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso: não era bem isto o que queria dizer.”
Érico Veríssimo