Cartas do Céu

 

 

Subtítulo: Histórias reais de crianças que já partiram e continuam a crescer no Céu
Autor: James Van Praagh
Edição: Mai/2013
Páginas: 256
ISBN: 9789896681920
Editora: Nascente

 

 


Como é o Céu? E se a morte não significasse o fim? E se os seus entes queridos já falecidos estivessem consigo neste momento?

Com base em quase 30 anos de experiência a comunicar com os espíritos, James Van Praagh convida o leitor para uma viagem esclarecedora e inspiradora.
Repleto de histórias enternecedoras e profundas mensagens de amor, Cartas do Céu dá-nos um retrato da viagem que os espíritos das crianças fazem enquanto andam entre este mundo e o próximo, e revela como a realidade da vida e da morte transcende os planos físicos e materiais.

Está prestes a descobrir verdades acerca da vida após a morte que a maioria das pessoas desconhece:
O que acontece quando morremos · Qual é o papel dos guias espirituais · O que é a evolução kármica · Como se faz o desenvolvimento da alma · O que é a reencarnação · Como é que os espíritos ocupam o seu tempo · O que são os pactos espirituais.
Se alguma vez se interrogou sobre como é o Céu, então este livro é para si.

Leia os primeiros capítulos aqui.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Eles Estão Entre Nós

Autor:

James Van Praagh é considerado o pioneiro entre os mediums, e tem sido a voz do mundo dos espíritos há quase 30 anos. As suas mensagens trazem conforto e paz a milhões de pessoas, mudando a sua visão sobre o mundo dos vivos e dos mortos.
Autor bestseller do New York Times, os seus livros foram publicados em mais de 50 países e traduzidos para mais de 60 línguas.
James Van Praagh faz apresentações e leituras em todo o mundo.

Mais sobre o autor no seu site www.vanpraagh.com.

Veja o booktrailer:

Comentários  

 
#2 Helena 2013-09-04 14:55
Gosto, de quando em quando, de contrabalançar leituras com livros diferenciados. À minha maneira, sou um tanto de mística e outro tanto de cética. Curiosamente, tenho verificado em todos os livros que já li sobre espiritualidade que as respostas coincidem. E isso espicaçou ainda mais a minha curiosidade.

Estes livros têm um efeito apaziguador - tranquilizador e, para tal, basta a mensagem que veiculam de confiança, fé e amor. Esperança também.
Este livro em particular, de um conceituado médium, visa reconfortar e transmitir mensagens a pessoas enlutadas. Lutos dolorosos de crianças e jovens que dificilmente conseguimos conceber ou compreender, mas que podem ser encarados de forma diferente e aceites.

Interessante e bem concebido, este é um livro que responde a alguns anseios, principalmente numa época tão conturbada. Um bálsamo para a alma.
 
 
#1 sílvia 2013-07-18 01:33
Adoro estes pormenores nos livros: assim que o abri, deparei-me com um envelope cor-de-rosa, uma carta!

Um livro que toca, pelo menos a mim (sou suspeita, pois gosto destes temas). Permite-nos ver a morte, não como um fim, mas como uma continuação, uma nova vida noutro lado. No fundo, é um livro cheio de esperança. O autor conta diversas situações que viveu, visões de almas que comunicam e lhe enviam mensagens para transmitir aos familiares. Descreve alguns exercícios de meditação e o sistema de escrever cartas a entes falecidos e suas respostas, mostrando, no final do livro, exemplos reais de tais cartas.

Difícil foi largá-lo e fiquei curiosa para ler mais publicações de James Van Praagh.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso: não era bem isto o que queria dizer.”
Érico Veríssimo