Cozinha Africana

 

 

Autor: Viriato Pã
Género: Culinária
Edição: Ago/2019 (relançamento)
Páginas: 200
ISBN: 9789897542763
Editora: Marcador

 

 

VENCEDOR DO PRÉMIO GOURMAND WORLD COOKBOOK AWARDS 2019
O livro "Cozinha Africana" revela um misto de receitas que fazem parte do repertório chamado tradicional e de receitas originais.
Oferece não só os clássicos, como também combinações audaciosas, para celebrar a vasta e rica biodiversidade de que África dispõe. Tentando sempre mantê-las práticas e saborosas, as receitas são simples e despretensiosas, numa celebração de aromas e sabores únicos de África e da diáspora africana.

A cozinha africana é uma cozinha rica, sem embelezamentos desnecessários, porque quando se tem os melhores ingredientes não é necessário fazer muito – basta deixar que revelem o seu sabor. É uma cozinha de estilo familiar, na qual tudo se partilha.

Autor:

Viriato Pã é afro-lusitano. Nasceu e cresceu e é filho de guineenses de Bissau. Cresceu entre duas culturas: em casa, a da família, com a influência africana; fora de casa, os colégios e os amigos contribuíram com uma influência mais portuguesa. A herança africana vinha sendo diluída pelo amor gastronómico global, mas ressurgiu com a redescoberta de ingredientes do seu passado ou de outros que lhe eram desconhecidos.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato