Kakebo

 

 

 

Autor: Tradicional
Edição: Fev/2014
Páginas: 208
ISBN: 9789896682231
Editora: Vogais

 

 

O método japonês de poupança que está a fazer sucesso em todo o mundo!
O livro de contas da poupança doméstica.

Tem um controlo total das suas despesas e receitas? Em que produtos e serviços gasta o seu dinheiro? Sabe valorizar as coisas para além do seu preço? Chega ao final do mês sempre de bolsos vazios?
O Kakebo, livro de contas da poupança doméstica, é a solução inovadora que os japoneses usam todos os dias para gerir as suas economias pessoais e retirar o máximo proveito do dinheiro. Esta é a ferramenta que o ajudará a controlar a economia do seu lar e da sua família, e gerir o seu consumo de uma forma mais adequada.

No fim do plano simples de 12 meses terá aprendido a poupar e a gastar melhor o seu dinheiro para obter uma vida melhor! Os objetivos serão definidos por si, e o Kakebo ajuda-o a alcançá-los.
 * Registe e controle todas as suas despesas e receitas
 * Analise os seus resultados mês a mês e resuma-os em gráficos anuais
 * Mantenha um registo atualizado de todas as suas contas, sem ter de recorrer a folhas de cálculo complexas e confusas
 * Perceba quais são as suas despesas menos necessárias e mais dispensáveis
 * Saiba claramente quanto, como e em que produtos e serviços pode e deve gastar o seu dinheiro.
O Kakebo é o método perfeito para pessoas com emprego estável, por conta própria ou desempregadas, casados, solteiros, adolescentes ou adultos. É a forma mais simples, acessível e eficaz de gerir o seu dinheiro.
Fácil e muito prático, o Kakebo irá tornar-se o maior aliado da sua carteira!

Leia as primeiras páginas aqui.
Aprenda como funciona o Kakebo em www.kakebo.pt e visite a página do livro no Facebook.

Veja aqui o booktrailer:

Comentários  

 
#2 Vera 2014-03-29 13:00
O livro "kakebo" é um diário que nos permite gerir de forma útil o nosso dinheiro: os gastos, objetivos, poupanças. É algo que já faço em formato Excel, mas considero que, devido ao tamanho e peso do livro, é bastante prático para andar connosco e assim estarmos mais conscientes do que podemos ou não gastar.
Tem o formato de agenda, em que aparecem grelhas individuais, para as semanas do mês, com espaço para escrevermos os gastos. No início de cada mês, existe um organizador sumário de receitas e despesas fixas (mensais ou com outra periodicidade).
Um conselho bom é, por exemplo, quando nos queixamos de alguns impostos anuais, que tal dividir o valor pelos meses que faltam e colocarmos de parte, para assim não ser tão difícil pagar o montante na altura? O problema reside em que, com tamanha crise em Portugal e aumento nos cortes, etc., será que o sistema Kakebo se aplica à nossa economia atual? Teremos nós o suficiente para poupar? Fica para refletir e, no final do ano, poderei responder se estou na mesma, falida ou com poupanças!:)
 
 
#1 Sebastião Barata 2014-03-22 16:09
Este é um livro com muito interesse para quem precisa de controlar as suas despesas, de modo a fazer que o dinheiro chegue até ao fim do mês e, se possível, sobre algum para ocorrer a alguma despesa inesperada, ou poupar para o futuro. A situação de crise em que vivemos, com os rendimentos da família a diminuir e os impostos a subir, torna cada vez mais necessário recorrer a ajudas para identificar o tipo de despesas menos necessárias, ou mesmo dispensáveis, para que consigamos ter uma vida feliz e não nos falte aquilo que é mesmo indispensável.

Kakebo é um plano para registar e analisar todas as receitas e despesas durante um ano, período considerado suficiente para uma aprendizagem da poupança. Está organizado como uma agenda, de formato adequado para andar sempre na carteira e podermos ir registando todas as despesas, enquanto nos lembramos delas.
O plano é o seguinte: No início do mês, anotamos tudo o que esperamos receber (vencimentos, pensões, etc.) e as despesas fixas (renda, luz, água, gás, escola, etc.), apurando-se o montante que sobra para outras despesas. É este montante que vamos gerir ao longo do mês, registando no livro as despesas que fazemos, organizadas por espécies (sobrevivência, lazer, cultura e extras). No fim do mês, apuramos o que gastámos em cada tipo de despesa e tiramos as nossas conclusões: onde gastei mais? O que podia ter deixado de comprar? Então, fazemos os nossos propósitos de emenda, para que a coisa corra melhor no próximo mês. Verificamos quem ganhou mais: se o porquinho da poupança ou o lobo da despesa.

Apesar de não ter sido uma grande surpresa para mim, porque estou habituado a fazer um exercício semelhante desde sempre (há mais de 40 anos), reconheço que é um livro que vai ser muito útil para a maioria das famílias.

Achei muito interessante um diagrama que vem na página 16, que nos ensina a fazer um exame de consciência perante cada despesa, especialmente quando nos sobram uns euritos de que podemos dispor livremente. Pomos o nosso porco a dialogar com o nosso lobo e tentamos que o primeiro ganhe a luta. Muito ajuizado!

Aconselho a todos, ganhem muito ou pouco, tenham mais ou menos dificuldades, porque saber controlar-se e aprender a poupar é útil para toda a gente.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Nenhum Olhar
    Gostei da análise do Sebastião Barata.
  • 09.04.2020 08:06
  • Deixem Passar o Homem Invisível
    Dez anos depois de ter vencido o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB 2009, regressa em nova ...
  • 25.03.2020 23:36
  • O Caçador de Brinquedos
    Se gosta de ficção científica, não deixe de ler este livro! João Barreiros é considerado um dos ...
  • 12.03.2020 16:59

Últimos Tópicos

    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 semana 1 dia
    • Espaço para livros
    • Uma maneira simples e barata é embrulhá-los em rolo autoaderente, daquele que...
    • há 2 meses 5 dias
    • Melhores Livros De Romance
    • Obrigado pela partilha! Diversos desses livros têm nomes diferentes na edição...
    • há 2 meses 1 semana

Uma Pequena Palavra...

"Quem escreve lembra-me o afogado que desesperado esbraceja para vir à tona. O escritor é isso que faz. Dentro de si, por uma razão qualquer, escasseia o ar. Então, ofegante, arruma o pensamento de acordo com o que as palavras lhe permitem, e assim respira e alivia a sua angústia."
Nuno Lobo Antunes