Os Flechas - A Tropa Secreta da PIDE/DGS na Guerra de Angola

 

 

Autor: Fernando Cavaleiro Ângelo
Género: História de Portugal
Edição: Fev/2017
Páginas: 304
ISBN: 9789897416576
Editora: Casa das Letras

 

 

Os Flechas conta a história pouco conhecida desta força paramilitar. Constituída por bosquímanos que, perseguidos e escravizados ao longo de séculos pelos povos Banto, se aliaram aos portugueses no contexto da Guerra Colonial, os Flechas foram alargando progressivamente o seu espectro de acção, não só sob a alçada da PIDE, mas também em apoio às operações das Forças Armadas. Os seus conhecimentos do terreno e das populações autóctones, as suas qualidades como pisteiros e a sua grande resistência às condições ambientais locais foram de grande utilidade ao esforço de guerra português.

Autor:

Fernando Cavaleiro Ângelo nasceu em Cabo Verde, em janeiro de 1970. Oficial da Marinha Portuguesa no ativo, desempenha atualmente as funções de Diretor do Centro de Comunicações, de Dados e Cifra da Marinha, depois de uma intensa carreira de mais de quinze anos nas informações militares portuguesas. Tem o Master of Arts em Intelligence and Security Studies, pela Universidade de Salford, no Reino Unido. É o autor de Os Flechas – A Tropa Secreta da PIDE/DGS na Guerra de Angola.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Dos muitos universos que o homem não recebeu em dom da natureza mas que forjou para si próprio, extraindo-os do seu espírito, o universo dos livros é o mais vasto.”
Hermann Hesse in Uma Biblioteca da Literatura Universal