Um Presente Muito Especial

 

 

Subtítulo: A história de uma família que viveu um milagre de amor
Autora: Joanne Huist Smith
Edição: Nov/2014
Páginas: 208
ISBN: 9789896682842
Editora: Nascente

 

 

 

A história real de uma família que reencontrou a sua essência, com a ajuda de amigos muito especiais.
Depois da morte inesperada do marido, Joanne sente-se incapaz de retomar a sua vida e de ser o exemplo de força que os seus filhos, Ben, Nick e Megan, precisam mais do que nunca. Com a aproximação da quadra natalícia, tudo parece ainda mais duro de suportar.
Mas, 12 dias antes do Natal, um presente é deixado misteriosamente à porta de casa, acompanhado de um cartão com a assinatura «Os vossos verdadeiros amigos». No dia a seguir, um novo presente, no dia seguinte mais um presente, e assim acontece, até à véspera de Natal.

Estes 12 presentes irão tornar-se uma dádiva de grandeza incomparável e acabam por dar origem a um milagre: a reaproximação entre mãe e filhos e o fortalecimento dos seus laços de amor.

Leia os primeiros capítulos aqui.

Mais informações no site da edição original em inglês. Leia aqui.

Autora:

Joanne Huist Smith nasceu no Ohio, EUA. Após uma vida dedicada à família - três filhos e dois netos -, obteve a licenciatura em Inglês em 1996 e, em 1997, começou a trabalhar como jornalista no jornal da sua terra natal. Atualmente reformada, Joanne é apaixonada pela escrita e pela leitura. A sua autobiografia Um Presente Muito Especial tem sido aclamada em todos os países onde já foi publicada.

Veja aqui o booktrailer:

Comentários  

 
#2 Helena 2015-03-23 22:31
Um conto de Natal que li fora de época. Contudo, não há época para se celebrar a alegria de viver, a generosidade, a solidariedade e a união familiar. Em suma, o Amor que nos liga ao próximo e tantas vezes esquecido na vertigem de rotinas deste ritmo de vida acelerado que nos impõem e que aceitamos sem questionar. Quantas e quantas vezes, um sorriso, uma gentileza ou uma sugestão não fazem toda a diferença para quem a recebe e não nos custa nada. Nem reparamos que somos impacientes, bruscos e um pouco intolerantes no nosso dia-a-dia e o acto de dar fica arredado das nossas prioridades.

Um daqueles livros que, banalmente, desvalorizamos como de auto-ajuda, como se não precisássemos de ajuda para refletir e mudar sempre e quando possível.

Singelos e inesperados presentes, diariamente entregues nos treze dias que antecedem o Natal, obrigam uma família enlutada, mais destroçada pela proximidade da época, a uma distração que gradualmente faz a mudança.

Realista e com uma escrita corrente e fluída, lê-se num ápice. Um pouco de ternura e compaixão. Um bálsamo para corações sensíveis e abnegados.
 
 
#1 Maria Manuel Sousa 2015-01-25 19:39
Passado na época natalícia, este livro transporta-nos para casa e para a família de Joanne que perdeu o marido de forma inesperada.
É então que, nos 12 dias antecedentes ao Natal, recebe um presente diariamente. Junto com cada presente, um simples cartão assinado "os vossos verdadeiros amigos".
Sem saber quem os oferece e porquê, a família acaba por se juntar à volta deles e começa a reagir à dor.
Baseado numa história verídica, acompanhamos o renascer de uma família magoada e ferida após uma perda inesperada. E vemos como um gesto simples fez com que se reencontrasse e recomeçasse a viver.
Um relato muito bem escrito, sem ser lamechas. Adorei e recomendo.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Morte do Papa
    Depois de ter lido todos os livros anteriores de Nuno Nepomuceno, este foi o primeiro em que tive ...
  • 24.02.2020 00:22
  • Pão de Açúcar
    Faz agora em fevereiro catorze anos que se deu um acontecimento que apaixonou o País e deixou os ...
  • 02.02.2020 22:44
  • Budapeste
    Este livro fala de uma profissão que muitos podem considerar ficção, mas é muito real e mais vulgar do ...
  • 18.01.2020 23:22

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Você deve escrever o livro que quer ser escrito. E, se for um livro muito difícil para crescidos, então escreva-o para crianças.” 
Madeleine L’Engle