Feira do livro do Porto casa cultura com animação

FaceBook  Twitter  

A Feira do Livro do Porto, que se realiza nos Jardins do Palácio de Cristal, abre na próxima sexta-feira, dia 1 de setembro, tem Sophia de Mello Breyner como homenageda e é novamente organizado pela Câmara Municipal do Porto.

"Este é um projeto fundamental para a cidade e vem inscrever os Jardins do Palácio de Cristal como local de lazer para todas as idades", apontou o presidente da Câmara do Porto em conferência de imprensa sobre a Feira do Livro que decorre entre os dias 1 e 17 de setembro. Esta será a quarta vez que o evento é organizado pela Câmara do Porto, terá a mesma configuração e número de pavilhões de 2016, ano pem que foi batido o recorde de visitantes: mais de 250 mil visitas, segundo os números revelados pelo município.

Tendo Sophia de Mello Breyner Andresen como homenageada, esta edição apresenta "a dimensão que a Feira deve ter", apontou Rui Moreira, explicando que a estabilização era uma preocupação organizativa. Com um total de 130 pavilhões, reflete também a articulação com outros eventos e a estratégia de "variar anualmente o conjunto de programadores, por forma a procurar novos públicos".

A programação contempla um "festival literário" do qual o adjunto para a Cultura, Guilherme Blanc, destacou as seis lições comissariadas por Anabela Mota Ribeiro e dedicadas a diferentes autores e obras; duas exposições a inaugurar na Galeria Municipal que, fazendo parte da programação regular deste equipamento, surgem integradas na temática de Sophia de Mello Breyner Andresen e da sua obra; a presença de convidados internacionais nos debates comissariados por José Eduardo Agualusa; o ciclo de cinema internacional e de arquivo; um workshop de escrita criativa com Gonçalo M. Tavares; e as sessões de spoken word com que "iremos percorrer efemérides literárias de importância para a cidade".

Ainda sobre esta vertente do programa, Guilherme Blanc, frisou, numa entrevista à Lusa, que “A questão da internacionalização, com três autores fulgurantes internacionais de diferentes geografias, literárias e culturais, é um fator distintivo da feira este ano”.

Assim, no dia 03 de setembro, primeiro domingo da feira, será a sul-coreana Han Kang, vencedora em 2016 do Man Booker Internacional por “A Vegetariana”, que estará presente num debate sobre “a solidão do Oriente”, sobre “a situação da mulher numa sociedade conservadora, como é a coreana, a solidão e a loucura”.

No dia 10 de setembro , o autor Teju Cole, de dupla nacionalidade nigeriana e norte-americana, conversa com Isabel Lucas sobre os “caminhos da nova literatura africana”.

O terceiro convidado é o escritor francês Laurent Binet, vencedor do Prémio Gouncourt em 2010 por “HHhH”, que participará numa sessão de debate, em 16 de setembro, intitulada “O que pode a língua?”, e moderada por Ana Sousa Dias, sobre “realidade e ficção, e sobre a linguagem como instrumento de transformação do Homem e do mundo”.

Paralelamente, haverá uma vertente de animação que apresenta conteúdos e horários variados ao longo de todo o dia, conforme referiu o administrador da Porto Lazer, Nuno Lemos, destacando que haverá desde dança clássica e contemporânea até instalações que estabelecem a relação com a obra de Sophia. Além disso, este programa de exterior não ficará limitado à Concha Acústica, preenchendo vários locais do recinto.
No que toca à programação infantil, verificou-se, pela experiência dos anos anteriores, que “estava um pouco sobredimensionada”, pelo que a estratégia foi redefinida para incluir “mais performances, espetáculos e oficinas” e menos eventos “com inscrição prévia, mais rígidos”.
A programação inclui ainda várias oficinas de escrita e ilustração, para crianças e adultos, espetáculos infantis, sessões de leitura e um ciclo de cinema, programado em parceria com a Medeia Filmes.

No que toca à homenagem a Sophia de Mello Beyner, haverá várias sessões dedicadas à autora, com destaque para um debate no sábado, dia 2 de setembro, subordinado ao verso de Sophia, «A terra o sol o vento o mar / são minha biografia e são meu rosto», que junta o filho Miguel Sousa Tavares a Frederico Lourenço e Ana Luísa Amaral. Este debate será precedido de uma cerimónia de homenagem na avenida das Tílias, com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, na qual será colocada uma placa atribuindo à poeta uma das icónicas tílias do espaço. No dia 1, será inaugurada uma exposição, patente até ao dia 12 de novembro na Galeria Municipal, sobre os quatro elementos da Natureza e a obra de Sophia.

A programação completa está no Jornal da Feira do Livro do Porto 2017.
As novidades do evento podem também ser acompanhadas através da página no facebook.

Últimas Opiniões

  • Deixem Passar o Homem Invisível
    Dez anos depois de ter vencido o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB 2009, regressa em nova ...
  • 25.03.2020 23:36
  • O Caçador de Brinquedos
    Se gosta de ficção científica, não deixe de ler este livro! João Barreiros é considerado um dos ...
  • 12.03.2020 16:59
  • A Morte do Papa
    Depois de ter lido todos os livros anteriores de Nuno Nepomuceno, este foi o primeiro em que tive ...
  • 24.02.2020 00:22

Últimos Tópicos

    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 5 dias 3 horas
    • Espaço para livros
    • Uma maneira simples e barata é embrulhá-los em rolo autoaderente, daquele que...
    • há 2 meses 2 dias
    • Melhores Livros De Romance
    • Obrigado pela partilha! Diversos desses livros têm nomes diferentes na edição...
    • há 2 meses 3 dias

Uma Pequena Palavra...

"Árvores são poemas que a terra escreve para o céu. Nós as derrubamos e as transformamos em papel para registar todo o nosso vazio."
Khalil Gibran