"Incêndios" eleita PALAVRA DO ANO® 2017

FaceBook  Twitter  

30 mil portugueses votaram durante o mês de dezembro para escolher a candidata favorita. A Porto Editora acaba de anunciar, numa cerimónia que decorre na Biblioteca Municipal Ary dos Santos, em Loures, que os portugueses elegeram "incêndios" como PALAVRA DO ANO® 2017.

O vocábulo vencedor arrecadou 37% dos votos dos cibernautas, seguindo-se as palavras "afeto" (20%) e "floresta" (14%). Já "vencedor" conquistou apenas 8% da votação e a palavra "crescimento" arrecadou 5%, tal como "cativação". A lista de candidatas fica completa com "desertificação" (4%), "gentrificação" (3%), "peregrino" (3%) e, por fim, "independentista" com apenas 1% dos 30 mil votos registados durante todo o mês de dezembro em www.palavradoano.pt.

A palavra eleita

A palavra "incêndios" integrou a lista das 10 candidatas a PALAVRA DO ANO® tendo em conta os sucessivos incêndios em todo o país que fizeram de 2017 um dos anos mais trágicos de sempre, pela enorme quantidade de vítimas e pela dimensão da área atingida. Nesta votação, os portugueses não deixaram de assinalar o impacto que a palavra teve no último ano.
Se juntarmos os 14% alcançados pela palavra "floresta", podemos concluir que a tragédia que se abateu sobre o nosso País no ano passado mobilizou mais de 50% das conversas das pessoas e das notícias dos meios de comunicação em Portugal no ano 2017.

No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, disponível gratuitamente em www.infopedia.pt, a palavra "incêndios" apresenta-se da seguinte forma:
nome masculino
1. ato ou efeito de incendiar
2. fogo destruidor, que lavra com intensidade, geralmente assumindo grandes proporções
3. destruição provocada pelo fogo
4. combustão não controlada
5. figurado rápido e violento desenvolvimento de algo que causa perturbação geral
6. figurado exaltação de sentimentos; ardor; fervor.

A iniciativa

Assim, "incêndios" sucede como PALAVRA DO ANO® a "geringonça" (2016), "refugiado" (2015), "corrupção" (2014), "bombeiro" (2013), "entroikado" (2012), "austeridade" (2011), "vuvuzela" (2010) e "esmiuçar" (2009).

A nona edição da PALAVRA DO ANO® veio confirmar esta iniciativa da Porto Editora como uma das mais relevantes no âmbito da promoção da língua portuguesa, estando já perfeitamente consolidada no calendário dos portugueses e tendo contabilizado o maior número de votos desde o início da iniciativa, com cerca de 30 mil portugueses a participar na eleição.

Inicia-se, agora, a décima edição da PALAVRA DO ANO® , com o trabalho de observação e análise do qual resultarão as dez candidatas a PALAVRA DO ANO® 2018.

A PALAVRA DO ANO® além fronteiras

Esta foi, também, a segunda edição da PALAVRA DO ANO® em Angola e Moçambique. A responsabilidade desta iniciativa é das empresas que integram o grupo editorial da Porto Editora naqueles países, a Plural Editores Angola e a Plural Editores Moçambique, que contam com o apoio do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua.

Seguindo as mesmas regras da iniciativa em Portugal, as votações decorreram através dos sites www.palavradoano.co.ao e www.palavradoano.co.mz. A PALAVRA DO ANO® 2017 eleita pelos moçambicanos foi "tseke" e, em Angola, a palavra vencedora será conhecida no próximo dia 30 de janeiro, no Centro Cultural Português, em Luanda.

Além disso, a PALAVRA DO ANO® tem sido referenciada internacionalmente e já inspirou iniciativas semelhantes no Brasil e na Áustria, por exemplo.

Últimas Opiniões

  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Você deve escrever o livro que quer ser escrito. E, se for um livro muito difícil para crescidos, então escreva-o para crianças.” 
Madeleine L’Engle