Morreu Gabriel García Márquez

FaceBook  Twitter  

Gabriel García Márquez, escritor colombiano de 87 anos, distinguido com o Prémio Nobel da Literatura em 1982, morreu hoje na sua casa na Cidade do México. A sua morte não foi completamente inesperada, pois tinha estado hospitalizado recentemente e, no início desta semana, a família emitiu um comunicado onde dava conta de que o estado de saúde do Nobel era “muito frágil”, havendo “risco de complicações”.

O autor de Cem Anos de Solidão não publicava desde 2010 quando foi dado à estampa Yo no vengo a decir un discurso. Memória das minhas putas tristes, editado em 2004, é o último livro de ficção que publicou. O romance sucedeu a Do Amor e outros demónios, publicado dez anos antes. Amor em tempos do cólera, Crónica de uma morte anunciada, O general no seu labirinto e Ninguém escreve ao coronel são outros títulos emblemáticos do escritor.

Luis Sepúlveda, outro grande nome das letras latinoamericanas, acaba de escrever na sua página do Facebook: "Los amantes de la literatura estamos de duelo, y todo el continente americano desde el sur del río Bravo hasta los confines antárticos iza a media asta las banderas de la dignidad. Una enorme tristeza recorre las selvas, los montes, los manglares y los páramos. Hemos perdido al Hombre que nos narró y nos enseñó a narrar, al escritor que nos grabó en la piel la fuerza de la imaginación latinoamericana para cambiarlo todo." Ninguém o diria melhor.

Não é só na América Latina que se lamenta esta perda das letras, mas em todo o mundo. Portugal não é exceção. A título de ilustração, deixamos alguns links, onde podemos constatar o destaque que, em poucas horas, foi dado a esta notícia nos principais meios de comunicação portugueses e colher mais informações:
RTP
TVI24
SIC Notícias
Público
Diário de Notícias
Expresso
Jornal de Notícias
Jornal de Negócios
Sol
Visão
Correio da Manhã
TSF
Diário Digital

Tem também estado a ser dado grande destaque ao infausto acontecimento nas redes sociais por autores, leitores  e editores portugueses, bem como nos blogues e portais dedicados à literatura.

"Vai-se o Homem, fica a obra". Nunca será esquecido!

Últimas Opiniões

  • Limões na Madrugada
    Carla M. Soares fez uma pausa nos romances históricos (que espero não passe de uma breve pausa) para ...
  • 02.12.2017 13:57
  • Ramalho Eanes: O Último General
    Para comentar este livro, tenho de distinguir o tema e a fidelidade à realidade histórica, da forma como ...
  • 28.11.2017 22:57
  • Bala Santa
    A nova edição foi o pretexto para, finalmente, conseguir arranjar tempo para ler este livro do saudoso ...
  • 24.11.2017 17:01

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Começada um dia a leitura, impõe-se levá-la até ao fim. Assim me educaram e nessa pertinência me reconheço. Propus-me um livro? Há que lê-lo!"
Mário de Carvalho in Um deus passeando pela brisa da tarde