Preço Fixo do Livro - uma lei necessária?

A Lei do Preço Fixo do Livro (LPFL) é, provavelmente, uma das leis mais mal interpretadas e ignoradas de toda a Legislação Portuguesa em vigor. Para além de dúvidas diversas que se prendem com a fixação do preço, promoções ou descontos, assim como quais são os livros abrangidos por esta Lei, o aspeto mais discutido e, apesar disso, mais mal conhecido é a definição do que é um "livro usado" e, consequentemente, qual o preço que pode ser praticado na venda de um  "livro usado". Pode, por exemplo, alguém que adquiriu um livro e o leu (ou não), vendê-lo como "usado"? Se sim, qual o preço mínimo dessa transação? Podem os livros usados ser vendidos através da internet? É obrigatória a intervenção de um comerciante autorizado (individual ou empresa) nessa transação, ou a venda de "livros usados" pode efetuar-se entre particulares?

Continuar...

VIII Volume da Antologia de Poesia Portuguesa Contemporânea: “Entre o Sono e o Sonho”

Partilhamos a comunicação da Chiado Editora endereçada a todos os poetas portugueses. Se quiser participar no próximo volume desta Antologia, tem até ao dia 18 de agosto para enviar o seu poema.

Continuar...

Afinal quem é Bob Dylan?

Quem é Bob Dylan? Todos o conhecem como um músico americano, especialmente ligado à música de protesto, à música de intervenção. Mas Dylan é muito mais do que isso. Aliás, ele não gosta desse rótulo. Aqui ficam algumas notas biográficas, com o intuito de informar os nossos leitores e mostrar que, afinal, sempre merecia ganhar o Prémio Nobel de Literatura.

Continuar...

João Luís Barreto Guimarães vence Prémio de Poesia António Ramos Rosa

Mediterrâneo, o nono livro de originais de João Luís Barreto Guimarães, foi a obra galardoada na sexta edição deste Prémio instituído pelo município de Faro.

Continuar...

Novo livro de Dan Brown é lançado em simultâneo em todo o mundo

«Origem», o novo romance espantosamente inventivo do autor de thrillers mais popular do mundo está a chegar. Estará nas livrarias de todo o mundo a 3 de outubro e Portugal não é exceção. Em primeira mão, damos-lhe a conhecer a sinopse deste novo livro que será editado em Portugal pela Bertrand Editora.

Continuar...

Últimas Opiniões

  • Deixem Passar o Homem Invisível
    Dez anos depois de ter vencido o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB 2009, regressa em nova ...
  • 25.03.2020 23:36
  • O Caçador de Brinquedos
    Se gosta de ficção científica, não deixe de ler este livro! João Barreiros é considerado um dos ...
  • 12.03.2020 16:59
  • A Morte do Papa
    Depois de ter lido todos os livros anteriores de Nuno Nepomuceno, este foi o primeiro em que tive ...
  • 24.02.2020 00:22

Últimos Tópicos

    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 21 horas 48 minutos
    • Frecha (Saga "Os castros")
    • "- Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 21 horas 49 minutos
    • Espaço para livros
    • Uma maneira simples e barata é embrulhá-los em rolo autoaderente, daquele que...
    • há 1 mês 3 semanas
    • Melhores Livros De Romance
    • Obrigado pela partilha! Diversos desses livros têm nomes diferentes na edição...
    • há 1 mês 4 semanas

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato