Rui Lage vence Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís

FaceBook  Twitter  

Rui Lage venceu o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís, por unanimidade, com o romance "O Invisível", que propõe uma abordagem ficcional do lado mais oculto de Fernando Pessoa, anunciou hoje a Estoril-Sol, que patrocina o galardão.

Segundo o júri, "O Invisível" é "um romance com notável fulgor imaginativo" no qual "a figura histórica de Fernando Pessoa é tornada personagem de romance e colocada no centro de uma trama de ficção muito original, que cruza criativamente referentes conhecidos da época e Cultura Pessoanas, particularmente a sua vertente ocultista e/ou esotérica", lê-se no comunicado da Estoril-Sol, que promove o galardão, em parceria com a Editorial Gradiva, que publicará este título, no próximo ano.

"Neste romance convergem vários géneros: desde logo o fantástico e o romance histórico, quer Portugal quer África do Sul são reconstituídos, na sua inserção 'epocal', com o máximo rigor que me foi possível; mas também o rocambolesco e o satírico, além de elementos do romance policial - a personagem de Pessoa deve aqui alguma coisa à tradição norte-americana dos 'occult detectives', com ascendentes em [Edgar Allen] Poe e Conan Doyle", disse à agência Lusa o autor.

"Interessava-me colocar Pessoa em situações incómodas, desconcertantes, fora do seu ambiente lisboeta (já tão explorado noutras ficções), para agudizar contrastes e convocar um mundo arcaico, telúrico, atormentado por influências e presenças invisíveis. Eis porque, com certa dose de perversidade, transportei Pessoa para uma aldeia fictícia, na serra do Alvão, pondo-o a interagir com uma comunidade ensimesmada, radicalmente extemporânea", rematou.

"O Invisível" é o primeiro romance de Rui Lage e arrebatou o Prémio Agustina Bessa-Luís Revelação, no valor pecuniário de 10.000 euros, que será entregue no próximo ano, em data a anunciar pela organização.

Autor

Rui Carlos Morais Lage é licenciado em Estudos Portugueses e Ingleses pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde se doutorou em Literaturas e Culturas Românicas, na especialidade de Literatura Portuguesa.

O distinguido é autor de poesia, com sete livros publicados entre 2002 e 2016, entre os quais "Estrada Nacional", que foi lhe valeu o Prémio Literário da Fundação Inês de Castro, no ano passado, tendo também publicado na área de ensaio, nomeadamente um título sobre Manuel António Pina. Na ficção infanto-juvenil, é autor da antologia "Poemas Portugueses: Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI".

O escritor é deputado à Assembleia Municipal do Porto e membro do Conselho Municipal de Cultura portuense, professor de História Cultural do Teatro na Universidade Lusófona e assistente parlamentar no Parlamento Europeu, onde trabalha nas áreas dos Assuntos Externos e dos Direitos Humanos.

O Júri

O júri do Prémio foi presidido por Guilherme d'Oliveira Martins, em representação do Centro Nacional de Cultura, e incluiu ainda José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Maria Carlos Loureiro, pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e Bibliotecas, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, a catedrática de Literatura Maria Alzira Seixo e o escritor Liberto Cruz, convidados a título individual, e Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, em representação da Estoril-Sol.

A partir desta edição, o Prémio Revelação deixou de fixar um limite de idade para os concorrentes. Manteve, contudo, a exigência de serem autores portugueses, "sem qualquer obra publicada no género".

Lusa

Últimas Opiniões

  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41
  • A Dama do Quimono Branco
    Com este volume, termina a saga do Samurai Negro, constituída por uma trilogia de romances históricos ...
  • 29.07.2019 17:54

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Como um dia alguém me ensinou, os bons amigos são como os livros, nunca partem de vez. Sempre ficam no nosso coração."
Alberto S. Santos, in Para lá de Bagdad