Visitas ao Poder

 

 

Autora: Maria Filomena Mónica
Género: Sociologia / Política
Edição: Fev/2020
Páginas: 240
ISBN: 9789897225420
Editora: Quetzal

 

 

 

«Este livro nasceu do sentimento de que, no contrato que estabelecemos com o Estado, somos nós, cidadãos, quem geralmente perde.»
Nestas páginas, Maria Filomena Mónica visita os lugares do poder, onde ele se exerce ou exibe - no Parlamento, nos tribunais, nas reuniões camarárias, nos congressos dos partidos, nas repartições ou na Igreja Católica. Vai como uma repórter, captando as palavras dos políticos e dos burocratas, mas também o de pessoas comuns que enfrentam o poder demolidor do Estado e das instituições que deviam servir os cidadãos e que, pelo contrário, são monstros inamovíveis.

Continuar...

Narrativas dos Livros de Linhagens

 

 

Autor: José Mattoso
Género: História de Portugal
Edição: Fev/2020
Páginas: 176
ISBN: 9789896446093
Editora: Temas e Debates

 

 

 

História e fantasia combinam-se nos trechos narrativos inseridos nos livros de linhagens medievais, que celebravam feitos memoráveis, quer para os descendentes de heróis quer para a classe nobre em geral.
As narrativas dos livros de linhagens, agrupadas neste livro pela origem geográfica das tradições familiares que representam - castelhanas, galegas e portuguesas -, são simples narrativas, trechos curtos transmitidos juntamente com outras tradições familiares.

Continuar...

Eu, Cláudio

 

 

Autor: Cláudio Ramos
Género: Memórias
Edição: Fev/2020
Páginas: 280
ISBN: 9789720031464
Editora: Porto Editora

 

 


"Contar a história. A verdadeira história. Bocados do caminho que me trouxeram até aqui. Este livro é a alma colada no papel! Premeia todos aqueles que, de certa forma, acreditam e confiam acima de tudo nos sonhos e fazem questão de os transformar em objetivos reais. Estou absolutamente apaixonado pelo que é esta obra e certo que um dia, quando os meus netos olharem para ela, vão pensar que eu fui um tipo porreiro e sonhador. Dos sonhos não se desiste. Nunca!” Cláudio Ramos

Continuar...

O devir da lusofonia

 

 

Autora: Isabelle de Oliveira
Género: Sociologia
Edição: Fev/2020
Páginas: 144
ISBN: 9789720032737
Editora: Porto Editora

 

 


«Só partem para um país diferente para começar do zero as pessoas destemidas, que assumem o destino com as suas próprias mãos, orgulhosas e empreendedoras, sem implorar a ninguém o que quer que seja, nada exigindo e tudo construindo.» – José Rodrigues dos Santos, Prefácio
Respeitada pelo seu trabalho, pela sua dinâmica e pela sua integração exemplar nos tecidos sociais locais, a imagem da nossa diáspora está hoje bem longe da dos clichés do passado. Este livro abre-nos as portas da memória e da reflexão, é uma fonte de conhecimento, uma primeira tentativa de balanço, mas também uma obra contra o esquecimento – e esta é uma das suas maiores virtudes.

Continuar...

Pontapés na Gramática

 

 

Autoras: Sandra Duarte Tavares e Joana Dias
Género: Gramáticas
Edição: Fev/2020
Páginas: 160
ISBN: 9789897675669
Editora: Areal

 

 


Nesta publicação, o leitor tem a oportunidade de testar os seus conhecimentos sobre a língua portuguesa, tentando responder a 411 desafios, os quais permitem às autoras explanar os diferentes tipos de incorreções linguísticas com que nos deparamos diariamente.
A resposta acertada a muitos destes desafios irá surpreender mesmo aqueles que julgam ter sempre todas as respostas na ponta da língua.

Continuar...

Últimas Opiniões

  • A Morte do Papa
    Depois de ter lido todos os livros anteriores de Nuno Nepomuceno, este foi o primeiro em que tive ...
  • 24.02.2020 00:22
  • Pão de Açúcar
    Faz agora em fevereiro catorze anos que se deu um acontecimento que apaixonou o País e deixou os ...
  • 02.02.2020 22:44
  • Budapeste
    Este livro fala de uma profissão que muitos podem considerar ficção, mas é muito real e mais vulgar do ...
  • 18.01.2020 23:22

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso: não era bem isto o que queria dizer.”
Érico Veríssimo