1613

FaceBook  Twitter  

 
 
 
 
Autor: Pedro Vasconcelos
Edição: Nov/2005
Páginas: 268
Editor: Oficina do Livro
ISBN: 9789895551538
Editora: Oficina do Livro




27 de Janeiro de 1613 é um dia histórico. A frota holandesa ataca a fortaleza de Solor e as consequências desse ataque mudam a vida de D. Manuel Álvares que, acusado indevidamente de ter fugido e de ter entregue a fortaleza, é levado a tribunal, em Goa. Num mundo impiedoso, os meios justificam os fins e D. Manuel precisa de todas as ajudas para salvar o seu nome. O reencontro com a mulher amada, a princesa Nenu de Solor, e a ajuda de um feiticeiro local levam-nos à verdadeira história.

 As aventuras, os duelos, as traições, as intrigas, o ambiente tropical, a passagem pelos cultos hindus transportam-nos para uma magia irresistível num período muito conturbado e fascinante da nossa história: o retrato do Império Português das Índias, na época filipina. Um livro que relembra alguns aspectos menos conhecidos da saga desses homens que, abandonados pela longínqua pátria, tudo fazem para se opor à crescente influência holandesa na região.

Excerto da obra
"Que importância tem a minha vida de militar? Porque é que não fugi com ela para a montanha quando me pediu? Estúpido orgulho. Maldito brio que me ensinaram; pensei com a cabeça, não com o coração. E agora? O que ganhei com isso? Perdi o forte. Perdi um amigo… ou mais que um, pensando bem. E perdi a mulher que amo…"

Autor:

Pedro Vasconcelos nasceu em Lisboa a 7 de Novembro de 1961. Viveu em Paris e Belgrado. Das suas viagens nasceram várias paixões: a etnografia, as antiguidades, o cinema, o mar e a aventura. Organizou exposições de arte africana e abriu uma galeria de artigos etnográficos, tendo sido colunista destas áreas temáticas em várias revistas e jornais.
Das experiências vividas nas terras de Timor e da Índia, nasceu o seu primeiro romance.

Comentários  

 
#1 Fátima Rodrigues 2009-08-03 19:45
Não me cativou. Achei-o demasiado pesado na forma de escrita.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato