25 de Abril, Corte e Costura

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: João Cerqueira
Género: Humor
Edição: Mar/2019
Páginas: 270
ISBN: 9789898906021
Editora: Ideia-Fixa

 

 

 

Celebram-se os 40 anos da revolução. A Direita propõe uma tourada, a Esquerda um desfile gay. Entretanto, chegam à cidade um antigo inspector da PIDE decidido a acabar com a festa, um toureiro espanhol que sonha com a União Ibérica, um guru tarado sexual e as Brigadas Indignadas com a missão de fazer explodir uma bomba.

Deste autor no Segredo dos Livros:
A Segunda Vinda de Cristo à Terra

Autor:

João Cerqueira nasceu em 1964 em Viana do Castelo. É mestre e doutorado em História da Arte pela Universidade do Porto. Foi bolseiro da F.C.T., professor do ensino secundário e colaborador da revista Arte Ibérica e do jornal Aurora do Lima. É autor dos livros Arte e Literatura na Guerra Civil de Espanha (publicado em Portugal e no Brasil), A Culpa é destas LiberdadesA Tragédia de Fidel Castro (publicado nos EUA com o título The Tragedy of Fidel Castro), As Reflexões do DiaboMaria Pia: Rainha e Mulher (em co-autoria com Manuel Pavão), José de Guimarães: Arte Pública (catálogo), José de Guimarães (publicado na China pelo Today Art Museum). Os seus romances recorrem à ironia e ao humor para satirizar a sociedade contemporânea. 
The Tragedy of Fidel Castro venceu o USA Best Book Awards 2013, o Beverly Hills Book Awards 2014, o Global Ebook Awards 2014, foi finalista do Montaigne Medal 2014 (Eric Offer Awards), e foi considerado pela revista ForewordReviews a terceira melhor tradução publicada nos EUA em 2012. Em 2015 será publicado em Espanha pela Funambulista, na Itália pela Leone Editore e no Reino Unido pela Freight Books
Os seus textos estão publicados na Toad Suck Review, Hypertext Magazine, Cleaver Magazine, Danse Macabre, Contemporary Literary Review India, Open Pen Magazine, The Liberator Magazine, BoldType Magazine, All Right Magazine, South Asia Mail, Linguistic Erosion, Calamites Press, Sundayat6mag e Literary Lunes.

Saiba mais em www.joaocerqueira.com

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2019-04-28 21:03
Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a sociedade portuguesa atual, mas com um fio condutor que é a comemoração dos 40 anos da revolução do 25 de Abril. Portanto, passa-se em 2014, quando a Troika nos "apertava o cinto" e todos se acham com razões para criticar, tanto os que contribuíram para a situação a que o País chegou, como aqueles que tiveram de "pagar as favas", ou seja o povo. Mas, como sempre, os últimos acabaram alegremente a bater palmas aos que os tinham roubado.

O cenário deste novo romance de João Cerqueira é a cidade de Augusta, protótipo de uma qualquer capital de distrito de Portugal, provavelmente no interior do país. Como era habitual, o Município propunha-se comemorar o 25 de Abril, tanto mais que nesse ano a Revolução fazia 40 anos, uma data que não podia passar em claro. Mas, por isso mesmo, tinham de ser comemorações que ficassem gravadas para sempre na memória das pessoas. Manifestações de rua, discursos e concertos de música já não arrastavam multidões e havia que estudar novas realizações que agradassem ao povo, novos e velhos. O Presidente criou uma "Comissão de Honra" composta por si e 4 vereadores, 2 da direita e 2 da esquerda. Reunida a Comissão para escolher o "Programa das Festas", o Presidente, sagazmente, pôs-se de fora, deixando à oposição o encargo de apresentar as propostas. Claro que as propostas da esquerda não recolhiam apoio das forças da direita e vice-versa e o único acordo era a vontade de celebrar a data, embora com propósitos contraditórios. Perante o impasse, o Presidente decidiu, dentro da sua filosofia da "Democracia do Futuro" com que sonhava, impor que cada lado do espetro político escolhesse até 3 ações. Apesar da dificuldade de cada grupo chegar a um consenso, a direita, capitaneada pela vereadora do CDS, assessorada pelo do PSD, decidiu fazer uma exposição sobre a História gloriosa de Portugal, um quadro vivo das Aparições de Fátima e uma tourada, tudo coisas que sabia que iam irritar a esquerda. Pelo seu lado, a esquerda capitaneada pela vereadora do BE, assessorada pelo do PCP, decidiu fazer um teatro de rua sob o tema "Da escravatura ao neoliberalismo" e uma parada homossexual, por serem o que mais iria irritar a direita.

Cada grupo arranjou uma sede e começaram os preparativos. Entretanto, surgem na cidade os "penetras", atraídos pelas notícias. Além dos incontornáveis arrumadores de carros, veio um guru com a sua corte de mulheres crentes, um artista louco, um casal que tinha perdido a casa para o banco e virou bombista e um ex-agente da PIDE, todos desejosos de estragar a festa. Chegado o dia 25 de Abril, todos os espetáculos previstos se fizeram, todos os "penetras" levaram a sua ideia avante, mas o resultado foi totalmente inesperado. Vendo bem, todos ganharam e todos perderam, excepto a Democracia.

Como disse no princípio, não tive surpresas, porque o livro segue a linha habitual do autor: a crítica social, à boa maneira da revista à portuguesa. E volto a repetir o que disse no comentário ao romance anterior "A Segunda Visita de Cristo à Terra": é um romance engraçado, que dispõe bem e que proporciona umas horas de boa disposição. Trata temas atuais com alguma inteligência e sentido de oportunidade. Todos nos sentimos um pouco visados, nem que seja como vítimas da nossa própria ingenuidade e parolice, quando aplaudimos os políticos bem falantes, que juram estar lá para defender o povo que os elegeu, mas buscam interesses contrários aos dos seus eleitores. E não haja ilusões, porque é tudo igual de uma ponta à outra do espetro político.
Não seja "cara de pau", leia este livro e divirta-se. Pelo menos esquece durante algumas horas os motivos pelos quais estamos todos a ficar com "cara de pau". E pode ser que tire algumas ideias para votar nas eleições que se aproximam...
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Dos muitos universos que o homem não recebeu em dom da natureza mas que forjou para si próprio, extraindo-os do seu espírito, o universo dos livros é o mais vasto.”
Hermann Hesse in Uma Biblioteca da Literatura Universal