A Arca

FaceBook  Twitter  

 

 

 

Autora: Victoria Hislop
Edição:Jul/2012
Páginas: 416
ISBN: 9789722635264
Editora: Civilização

 

 


Tessalonica, 1917. No dia em que Dimitri Komninos nasce, um incêndio devastador varre a próspera cidade grega, onde cristãos, judeus e muçulmanos vivem lado a lado. Cinco anos mais tarde, a casa de Katerina Sarafoglou na Ásia Menor é destruída pelo exército turco. No meio do caos, Katerina perde a mãe e embarca para um destino desconhecido na Grécia. Não tarda muito para que a sua vida se entrelace com a de Dimitri e com a história da própria cidade, enquanto guerras, medos e perseguições começam a dividir o seu povo.

Tessalonica, 2007. Um jovem anglo-grego ouve a história de vida dos seus avós e, pela primeira vez, apercebe-se de que tem uma decisão a tomar. Durante muitas décadas, os seus avós foram os guardiões das memórias e dos tesouros das pessoas que foram forçadas a abandonar a cidade. Será que está na altura de ele assumir esse papel e fazer daquela cidade a sua casa?

Autora:

Victoria Hislop é escritora e jornalista. Escreve artigos sobre viagens para o The Sunday Telegraph, artigos sobre educação para o Daily Telegraph e diversos artigos generalistas para a Woman & Home. Actualmente, vive em Kent com a sua família. Depois de publicar o seu primeiro romance, "A Ilha", Victoria Hislop foi aclamada pela crítica e acarinhada por milhares de leitores.

Saiba mais em www.victoriahislop.com

Veja aqui o booktrailer:

Comentários  

 
#4 Sónia 2013-06-09 16:05
Ainda que se trate de um romance, A Arca é tudo menos leve, face à carga factual que em si encerra. Refiro-me à dicotomia "guerra/religiã o". É uma excelente ode ao que realmente importa e também nos deixa uma mensagem a apelar ao nosso lado tenaz, face às adversidades da vida. Tudo isto, tendo como palco Tessalónica, na Grécia, no início do século XX.

Visto por outro prisma, é um livro que relata, de forma simples e fluída, os acontecimentos que envolveram aquelas gentes. Contudo, nas diversas obras que tenho lido, nem sempre fluidez implica falta de emoção. Neste livro, que tinha tudo para ser um livro five stars, a forma escorreita e "desapaixonada" como a estória nos é apresentada, faz com que tenha finalizado este livro com algum amargo de boca. E este livro tinha tudo para poder suscitar ao leitor emoções bastante fortes, face ao contexto temporal. Mesmo assim, é um livro a que não hesito dar quatro estrelas em cinco.

Pese embora os apontamentos que deixei atrás, apesar de ter sido a minha estreia com a autora, segui-la-ei, sem sombra de dúvida.
 
 
#3 Helena 2012-10-05 20:45
No magnífico cenário de Tessalonica, a segunda maior cidade grega, que durante o séc. XX atravessou grandes vicissitudes, as personagens Dimitri e Katerina crescem, vivem e envelhecem. Esta narrativa forte decorre num tempo e lugar que nos dá uma sensação tanto de história como de intemporalidade , com personagens tão reais como se tivessem realmente existido.

Um romance que não se lê de ânimo leve, pelo muito que nos diz sobre a prodigiosa capacidade do ser humano para amar, resistir, sobreviver e se renovar.

Uma escrita fluída e ritmada que se desenvolve perante os nossos olhos e onde reconheço o talento de Victoria Hislop que é uma das minhas autoras preferidas. Imperdível, mesmo com este novo romance.
 
 
#2 Vera Neves 2012-09-03 18:33
Confirmei que esta é uma autora a seguir. Depois de ter lido A Ilha, um dos melhores livros que li, A Arca mantém o mesmo registo e leva-nos numa viagem que jamais esqueceremos.
A autora revela-nos a cidade grega onde a acção se centra, Tessalonica, num período de guerras, agitações políticas e sociais, insegurança e pobreza. Esta é uma viagem histórica à qual fiquei rendida. Hislop é mesmo uma contadora de histórias excepcional.
Tocaram-me as descrições da ocupação nazi, toda a barbárie sofrida pelos gregos e pelos judeus, enviados para a Polónia para campos de concentração. E tocou-me ainda mais, porque conhecia aqueles judeus. A autora tem o poder de nos fazer viver a história, como se fizéssemos parte dela.
A história de Katerina e Dimitri é de uma beleza incomparável. Sofri com eles, ri com eles e torci por eles.
A história da Arca, literalmente falando, é um mistério bem conseguido na história e tem por trás uma história de luta, sofrimento, valores e união. Excepcional.
A história de Katerina, que acompanhamos desde criança até à sua velhice, é arrebatadora. A mim emocionou-me bastante.
Uma leitura a não perder. Uma autora a seguir. Aliás, O Regresso já está à minha espera na estante. Não percam!
 
 
#1 PCCST 2012-08-27 08:54
Victoria Hislop escolheu novamente Grécia como cenário para a acção desta narrativa, desta feita em Tessalonica.
Começando nos tempos de hoje, somos rapidamente transportados para o início do séc. XX, quando nasce Dimitri, em 1917. Este dia fica marcado não só pelo nascimento do filho tão aguardado pela família Komninos, mas também por um acontecimento devastador, um enorme incêndio que destrói toda esta cidade grega.
É a partir daqui que começa a história negra deste livro, desde o fraco relacionamento do casal Komninos, ao incêndio e terminando em variadas guerras.
No entanto, há algo de bom no meio de todos estes aspectos avassaladores: a vinda de Katerina, uma pequena menina que se perde da sua mãe, e que é trazida e "adoptada" por Eugénia e as suas filhas gémeas.
Victoria Hislop passa assim a narrar a história deste jovem casal, Dimitri e Katerina, e de todas as provações e sofrimentos a que foram submetidos.
É surpreendente a forma como a autora denota conhecimento da história deste país e relata pormenorizadame nte a invasão dos alemães, apoderando-se de tudo e tratando de eliminar todos os judeus aqui habitantes. Nenhum aspecto é deixado no esquecimento e todas as personagens são, de uma forma ou de outra, fulcrais para o desenvolvimento da narrativa.
Mais fascinante ainda é a forma como a autora encaixa perfeitamente um romance em tempos de guerra.
A belíssima forma como Hislop escreve, e a que já nos habituou, faz com que os leitores se apaixonem pelas personagens e torçam assim pelos seus sucessos. Com uma enorme carga emotiva e sentimental, é fácil para o leitor avançar página a página rapidamente.
Não me admira nada que este livro se torne, a par dos dois anteriores, um grande bestseller.
Recomendo!
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Compro e leio os livros de José Rodrigues dos Santos que considero de ficção científica, porque gosto ...
  • 15.11.2019 22:00
  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Acredito que, assim como na nossa vida se vão sucedendo acontecimentos de todo o tipo, também na literatura se sucedem esses acontecimentos, que são expressão do que sentimos e pensamos: a criação é a forma que temos de colocar cá fora as nossas esperanças, as nossas certezas, dúvidas, as nossas ideias."
José Saramago in A Estátua e a Pedra