A Breve e Assombrosa Vida de Oscar Wao

FaceBook  Twitter  


Autor:
Junot Díaz
Editora: Porto Editora
ISBN-13: 978-972-0-04148-7
Última Edição: Abril de 2009
N.º de Páginas: 296
Encadernação: Capa mole
Dimensões: 15,2 x 23,5 x 2,3 cm

Leia aqui as primeiras páginas.

Oscar Wao é enorme. E dominicano.
Gozado pelos colegas e isolado do mundo, sonha com raparigas e aventuras extraordinárias, sente vergonha por não estar à altura da reputação viril dos machos dominicanos, mas não consegue mais do que uma vida de desilusões.
Para Oscar, o drama é um fado demasiado familiar.
A sua breve e assombrosa vida está marcada a ferro e fogo por uma maldição ancestral, o fukú, que, nascido em Santo Domingo, é transmitido de geração em geração, como uma semente ruim.

Alimentada pela sorte dos seus antepassados, quebrados pela tortura, pela prisão, pelo exílio e pelo amor impossível, a história de Oscar escreve-se fulgurante e catastrófica, e integra a grande História, a da ditadura de Trujillo, a da diáspora dominicana nos Estados Unidos e a das promessas incumpridas do Sonho Americano.

Vencedor do Pulitzer Prize for Fiction 2008
Melhor Romance de 2007, pela New York Magazine
Vencedor do National Book Critics Circle Award (fiction)
John Sargent Sr. First Novel Prize
Anisfield-Wolf Book Award e Dayton Literary Peace Prize
Eleito "Notable Book" pelo New York Times
"Best of the Month" na Amazon US (Setembro 2007)


Assombroso

A Breve e Assombrosa Vida de Oscar Wao é o título de um dos livros mais aguardados do ano, vencedor do Pulitzer Prize 2008, e que a Porto Editora dá a conhecer no dia 30 de Abril. (20-4-2009)

O autor é o dominicano Junot Díaz, que, graças a este assombroso romance, alcançou o estatuto de vedeta literária internacional.

Em finais de 2007, o jornal Público, através de um exclusivo do Los Angeles Times, afirmava que o livro de Junot Díaz seria «o primeiro romance mais falado do ano», salientando o facto de ter sido «aclamado» logo no mês em que foi publicado. Menos de um ano depois, a Porto Editora adquire os direitos de publicação em Portugal e vê o romance ser galardoado com o Pulitzer Prize for Fiction.

A 30 de Abril, o país vai poder perceber as razões do estrondoso sucesso internacional deste livro e do autor Junot Díaz, que já têm sido ansiosamente destacados por publicações portuguesas.

O enredo

Em cada página, Junot Díaz cria uma obra de arte: a sua língua é uma manta de retalhos, uma canção, é uma fenda no muro entre as civilizações, as pessoas e idades, e os seus heróis perseguem, através do humor e da poesia, o objectivo último de todo o ser humano: o amor.

O autor

Junot Díaz nasceu em Santo Domingo, na República Dominicana, mas também tem nacionalidade norteamericana. A Breve e Assombrosa Vida de Oscar Wao é o seu primeiro romance, produto de 11 anos de trabalho.

Escreveu textos de ficção para publicações diversas, como The New Yorker, African Voices, Best American Short Stories (1996, 1997, 1999, 2000), Pushcart Prize XXII e The O'Henry Prize Stories 2009.

Além do Pulitzer, o autor foi ainda contemplado com os prémios Eugene McDermott Award, Lila Acheson Wallace Readers Digest Award, 2002 Pen/Malamud Award e Rome Prize from the American Academy of Arts and Letters.

Recebeu também as bolsas John Simon Guggenheim Memorial Foundation, 2003 US - Japan Creative Artist Fellowship, pelo National Endowment for the Arts e a bolsa oferecida pelo Radcliffe Institute for Advanced Study, na Universidade de Harvard.
É, actualmente, editor de ficção para o Boston Review e lecciona no Massachusetts Institute of Technology.

Críticas de imprensa:

(…) parece destinado a ser o primeiro romance mais falado do ano.
Scott Timberg, exclusivo PÚBLICO/Los Angeles Times

“Engraçado, urbano e muito bem observado… Um livro extraordinariamente vibrante, alimentado por uma prosa carregada de adrenalina...”
Michiko Katutani, The New York Times

“O romance de Díaz é um livro dos diabos… A sua discursividade ágil é impressionante. Mas, no final, é a ternura, a lealdade e melancolia da história que nos parte o coração.”
Los Angeles Times

“Obscuro e exuberante… rico e espirituoso… mas, acima de tudo, este livro ousado, divertido e trágico proporciona exactamente o que um leitor de Junot Díaz esperaria encontrar num romance seu.”
Publishers Weekly

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2009-05-18 11:29
Este livro é excelente para quem tiver menos de 30 anos! Para mim, com mais de 60, foram difíceis de entender algumas passagens. É escrito em calão juvenil, com nomes, citações e situações de livros, filmes e séries de fantasia, banda desenhada (japonesa e não só), jogos de vídeo (DOOM, RPG's, etc.) e coisas no género. Identifiquei imagens da Guerra das Estrelas, do Harry Potter, do Dr. Who e outros, mas passou-me muita coisa ao lado.
O livro está escrito num tom irónico, que torna a leitura mais interessante. Mas tem muitas palavras em castelhano, que não estão em itálico nem são traduzidas, o que pode confundir algumas pessoas, julgando que são erros. Além disso, o autor não usa travessões ou outras formas de introduzir o discurso directo, o que exige mais atenção na leitura.
No entanto, gostei do livro, que li com prazer. Retrata muito bem os trinta e um anos da ditadura de Trujillo e a situação dos emigrantes e refugiados caribeños nos E.U.A. Faz lembrar os emigrantes portugueses, que passam miséria nos seus países de acolhimento, mas têm belas vivendas em Portugal, onde se fazem passar por ricos durante as férias.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Quando lemos, conseguimos viajar para muitos lugares, encontrar muitas pessoas e conhecer o mundo. Também podemos aprender a lidar com os problemas que tenhamos, instruindo-nos com as lições do passado."
Nelson Mandela