A Casa-Comboio

FaceBook  Twitter  

 

 

Autora: Raquel Ochoa
Género: Romance
Edição: Jul/2017
Páginas: 340
ISBN: 9789896163600
Editora: Gradiva

 

 


Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís 2009

Uma família indo-portuguesa. Um século de história. Quatro gerações que evocam 450 anos de aventura mítica, nos quais a Índia longínqua era portuguesa. Em pano de fundo, a partida, o acaso e a sorte de quem se vê constantemente obrigado a fazer as malas, o desenraizamento, a inquietação, o inesperado, a imprevisibilidade dos destinos que se cruzam. A imagem dada pelo título é elucidativa: uma casa em movimento. Uma beleza poética singular. Uma verdadeira revelação.

Plano Nacional de Leitura:
Livro recomendado para a Formação de Adultos, como sugestão de leitura.

Autora:

Raquel Ochoa nasceu em 1980, em Lisboa. A Infanta Rebelde, a sua primeira obra, foi publicada pela Oficina do Livro.
Na sequência de uma viagem de vários meses pela América Central e do Sul, editou O Vento dos Outros, em 2008. No mesmo ano publicou Bana - uma Vida a Cantar Cabo Verde, a biografia de um mais populares músicos africanos. Em 2009 venceu o Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís, com o romance A Casa-Comboio, a saga de uma família indo-portuguesa ao longo de quatro gerações.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Xogum - O Senhor do Japão
    Há dois anos, por estes dias, estava eu a comentar "O Samurai Negro", 1º volume desta trilogia. Muitos ...
  • 14.06.2018 20:50
  • Na Memória dos Rouxinóis
    Há alguns dias, alguém se insurgia, numa resposta a um comentário no Facebook, contra a moda dos ...
  • 08.04.2018 22:26
  • A Febre das Almas Sensíveis
    "A Febre das Almas Sensíveis" é um romance histórico escrito de uma forma bastante diferente daquilo ...
  • 11.03.2018 20:01

Últimos Tópicos

    • 16 de julho
    • Sou a Joana e faço anos a 16 de julho. Sou caranguejo...
    • há 2 meses 4 semanas

Uma Pequena Palavra...

“Você deve escrever o livro que quer ser escrito. E, se for um livro muito difícil para crescidos, então escreva-o para crianças.” 
Madeleine L’Engle