A Europa ao Espelho de Portugal - Ideia(s) de Europa na cultura portuguesa

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: José Eduardo Franco
Género: História de Portugal
Edição: Jan/2020
Páginas: 288
ISBN: 9789896445980
Editora: Temas e Debates

 

 

 

«É nossa condição irrenunciável sermos europeus, pois a Europa é a nossa matriz geográfica e cultural. Neste globo, que ajudámos a encurtar, a geografia sempre foi condicionante da cultura. A Europa é, para nós, um facto. Mas a Europa, para além de facto, por vezes mais próximo e outras mais distante, sempre foi um mito.
O historiador José Eduardo Franco, especialista dos mitos na cultura portuguesa, analisa neste livro, que percorre toda a história de Portugal, os mitos que fomos construindo a respeito do continente que integramos.

Numa época em que a Europa - e nós nela e com ela - se encontra em profunda crise, recomendo vivamente esta reflexão de José Eduardo Franco, que nos permite assentar no passado as nossas reflexões sobre o futuro. O futuro é obviamente uma incógnita. Apesar de o Padre António Vieira ter escrito a História do Futuro, a Segunda Lei da Termodinâmica impõe a diferença entre passado e futuro, impedindo que exista ou venha algum dia a existir uma história do futuro. Mas haverá com toda a certeza futuro e não há futuro sem história. O conhecimento e a compreensão da história ajudam-nos a construir o futuro.»
Do Prefácio de Carlos Fiolhais

Deste autor no Segredo dos Livros:
Empreendipédia - Dicionário de educação para o empreendedorismo (coautoria)
Portugal Católico - A Beleza na Diversidade (coautoria)

Autor:

José Eduardo Franco, nascido em 1969, é historiador, professor catedrático convidado da Universidade Aberta e titular da Cátedra FCT/Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares e a Globalização (Universidade Aberta/CLEPUL-Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa). Coordena atualmente o programa de doutoramento em Estudos Globais na Universidade Aberta. Membro da Academia Portuguesa da História, doutorou-se em História e Civilizações pela École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris e em Cultura pela Universidade de Aveiro, sendo mestre em História Moderna pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da mesma Universidade de Lisboa. Concluiu com sucesso a coordenação de vários projetos de investigação de grande fôlego. Dirigiu com Pedro Calafate o projeto «Vieira Global» que publicou a Obra Completa do Padre António Vieira em 30 volumes. Dirigiu com Carlos Fiolhais o projeto de investigação e edição intitulado Obras Pioneiras da Cultura Portuguesa com 30 volumes, já editado pelo Círculo de Leitores, galardoado com o prémio Mariano Gago de Divulgação Científica da Sociedade Portuguesa de Autores. Coordena ainda o projeto “Culturas em negativo” de que resultou a publicação de um Dicionário dos Antis: A Cultura Portuguesa em negativo, matriz em preparação noutros países. Na sua bibliografia destacam-se os estudos sobre as ideias de Europa, Vieira, os Jesuítas e o marquês de Pombal, destacando-se os seguintes livros: O Mito de Portugal (2000) e O Mito dos Jesuítas em Portugal e no Brasil, Séculos XVI-XX (2 vols., Lisboa, Gradiva, 2006-2007). Foi-lhe atribuída, em 2015, a Medalha de Mérito Cultural do Estado Português, o mais importante galardão atribuído pelo Governo português, como reconhecimento dos serviços prestados à cultura e à ciência.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Pão de Açúcar
    Faz agora em fevereiro catorze anos que se deu um acontecimento que apaixonou o País e deixou os ...
  • 02.02.2020 22:44
  • Budapeste
    Este livro fala de uma profissão que muitos podem considerar ficção, mas é muito real e mais vulgar do ...
  • 18.01.2020 23:22
  • A Luz de Pequim
    Apesar de ter vários livros do autor na estante, ainda não tinha tido a oportunidade de ler qualquer ...
  • 15.01.2020 13:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

“Um livro aberto é um cérebro que fala; fechado, um amigo que espera; esquecido, uma alma que perdoa; destruído, um coração que chora.”
Rabindranath Tagore