A filha da minha melhor amiga

FaceBook  Twitter  

 

  

 

Autor: Dorothy Koomson
Edição: 2007
Páginas: 448
Editora: Porto Editora

 



A forte relação de amizade entre Kamryn Matika e Adele Brannon, companheiras desde os tempos de faculdade, é destruída num instante de traição que marcará as suas vidas para sempre.
Anos depois desse incidente, Kamryn é uma mulher com uma carreira de sucesso, que vive sem ligações pessoais complexas, protegendo-se de todas as desilusões. Mas eis que, no dia do seu aniversário, Adele a contacta... A amiga de Kamryn está a morrer e implora-lhe que adopte a sua filha, Tegan, fruto da sua ilícita relação de uma noite com Nate.

 Terá ela outra escolha? Será o perdão possível? O que estará Kamryn disposta a fazer pela amiga que lhe partiu o coração?
Uma viagem dolorosa e comovente de auto-conhecimento, uma leitura de cortar a respiração.

Autora:

Apaixonada desde sempre pela palavra escrita, Dorothy Koomson escreveu o seu primeiro romance aos 13 anos. A filha da minha melhor amiga foi o seu primeiro livro editado em Portugal. A história comovente de duas amigas separadas pela mentira e unidas por uma criança encantou as leitoras portuguesas. Pedaços de ternura, Bons sonhos, meu amor, O amor está no ar, Um erro inocente, Amor e chocolate, O outro amor da vida dela e A Praia das Pétalas de Rosa foram igualmente bem-sucedidos, consagrando a autora como uma referência para os leitores.

Descubra mais em www.dorothykoomson.co.uk e visite a página portuguesa do Facebook.



Opinião:
O livro que comoveu Portugal já na 5ª edição. Mais de meio milhão de livros vendidos no Reino Unido.
Gostei muito deste livro. É um livro que nos fala do amor e do perdão. Nele choraremos e riremos com as personagens. Considero-o muito bem escrito e muito apelativo. Foi um livro que me encantou!

Comentários  

 
#3 Vanessa Montês 2010-08-21 15:45
Este livro é fantástico! É uma história que até é bastante credível, em que se fala do valor da amizade, do perdão, de como devemos acreditar em nós próprias, resolver as coisas e não deixar nada para trás, caso contrário ainda nos arrependeremos de tal actos mais tarde. Fala também da morte e da traição.

Além disso, é um livro que embora tenha grande carga dramática, também tem partes cómicas. Tal como está escrito na contracapa por Adele Parks “(…) uma leitura comovente.”.
 
 
#2 Fátima Rodrigues 2010-04-26 21:37
Este livro é maravilhoso. Todas as personagens são cativantes e entram-nos no coração. O carinho e amor que existem entre elas mostra-nos que nem a distância ou as dificuldades nos separam de quem gostamos.
A Kamryn, mulher de cor e de sucesso profissional, revela-se uma mulher forte e uma fonte de amor para aquela menina branca e indefesa, a Tegan, amando-a para além do imaginável.
Vale a pena ler este livro!
 
 
#1 Maria João 2009-02-25 14:45
Lindo lindo lindo
Chorei, sorri... um bálsamo para a alma
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

    • Frecha Trailer
    • [image] Frecha, Teresa Durães, e-book gratuito para download na loja kobo.com
    • há 3 semanas 1 dia
    • Há procura de opiniões
    • Boms dias a todos, Envio um inicio de livro que para aqui tenho já há talvez...
    • há 1 mês 2 semanas
    • o final tem um ritual
    • O meu ritual é uma tortura, mas pra um TOC. Eu tenho que ler o final várias e...
    • há 1 mês 3 semanas
    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 3 meses 3 dias

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato