A Matéria Escura e outros poemas

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Jorge Sousa Braga
Género: Poesia
Edição: Mar/2020
Páginas: 72
ISBN: 9789723720471
Editora: Assírio & Alvim

 

 

Galáxias distantes, enxames de estrelas, quasares, poemas quânticos, princípios de incerteza. Sobretudo acerca daquilo que nos rodeia: «Olhar uma pedra / até que ela / floresça // Ao redor / duma pedra / azáleas vermelhas». A Matéria Escura e Outros Poemas é o mais recente livro de poesia de Jorge Sousa Braga, marcando o fim de um longo interregno, após a publicação de O Novíssimo Testamento e Outros Poemas, em 2012.

O CÉREBRO

O cérebro tem dez milhões de células em contacto
umas com as outras e dez triliões de conexões

Tanta conexão
e tanta solidão

Autor:

Jorge Sousa Braga nasceu em Cervães, Vila Verde, em 1957. Concluiu o curso de Medicina da Universidade do Porto em 1981, com a especialidade de Obstetrícia/Ginecologia. Iniciou a sua carreira profissional no Hospital de Santo António, no Porto, cidade onde vive há largos anos, tendo vindo a trabalhar na consulta de casos de esterilidade/infertilidade. Autor de uma vasta obra poética, iniciada em 1981, tem participado igualmente em numerosas antologias, como organizador e/ou tradutor. A escrita de livros infantis é outro dos seus talentos. O seu Herbário (2014) foi distinguido com o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura Infantil.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Ilustre Casa de Ramires
    NOTA: Este comentário contém spoilers (*** não leia se pretender ainda ler o livro ***) Após 2 ou ...
  • 28.06.2020 09:42
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Acabei (finalmente) de ler o mais recente livro de José Rodrigues dos Santos - Imortal que trata de um ...
  • 01.06.2020 23:30
  • O Túmulo do Mestre
    Ótimo livro para se ler num fim de semana! Li-o em duas tardes. Os capítulos não são grandes, pelo ...
  • 19.04.2020 19:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna