A Minha Guerra

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

 

Autor: Alcino Ferreira
Edição: Nov/2011
Páginas: 208
ISBN: 9789898452849
Editora: Clube do Autor

A Minha Guerra é um testemunho de factos reais ocorridos no período conturbado da Guerra Colonial.
Alcino Ferreira, o único oficial miliciano do Exército Português com uma comissão de serviço na Guerra Colonial, internamento de mais de dois anos em vários hospitais militares e interveniente activo na Revolução de 25 de Abril, divulga factos até agora nunca publicados.

Como o próprio autor confessa, «senti o dever de partilhar com terceiros as experiências que vivi no “outro lado da guerra”, principalmente os tempos passados com extrema tristeza e em convívios de extenuante loucura e diversão junto de centenas de companheiros estropiados de corpo e alma pelo conflito que afectou, por completo, a maneira de ser, sentir e reagir dos, agora, veteranos.»

 

Autor:
Alcino dos Santos Paula Ferreira nasceu a 29 de Março de 1950 na freguesia de Longa, concelho de Tabuaço, Trás-os-Montes e Alto Douro. Fez o Curso do Liceu, em regime de internato, no Colégio de Lamego. É licenciado em Administração e Gestão de Empresas pelo ISLA, em Psicologia Social e do Trabalho pelo ISPA, em Gestão de Empresas Turísticas e Hoteleira pela UI, bacharel no Curso Superior de Gestão Hoteleira pelo ISPI. Foi oficial miliciano do Exército, com comissão de serviço em Moçambique. Profissionalmente, foi inspector tributário até 1995, transitando, por convite, para o Instituto do Desporto, onde viria a exercer funções de director do Centro de Estágio de Desportistas da Cruz Quebrada, no Jamor, e coordenador do 3.º Quadro Comunitário de Apoio - Medida Desporto, para a Região de Lisboa e Vale do Tejo.

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2012-02-07 17:39
Confesso que parti para a leitura deste livro, convicto de que ia ter de fazer o frete de "engolir" mais um volume de recordações igual aos que têm proliferado ao longo dos anos pós-25 de Abril, retocados e publicados "a pedido" para animarem os encontros anuais dos ex-combatentes. Mas estava redondamente enganado!...
Não sei bem como classificar esta obra, pois, sendo um livro de memórias, é, simultaneamente , o testemunho de uma época negra, aviltante e indigna de um povo secular como o nosso, mas também heróica, gloriosa e patriótica, contada na primeira pessoa por quem a viveu nas suas diversas dimensões.
O autor foi oficial miliciano no norte de Moçambique, para onde foi enviado mal preparado a comandar um grupo de militares ainda mais mal preparados. Foi ferido, tendo "frequentado" diversos hospitais militares, onde contactou com toda a variedade de jovens estropiados fisica e mentalmente, vítimas de uma guerra para a qual nada contribuíram. Participou ativamente na revolução do 25 de Abril e assistiu ao novo tipo de arbitrariedades que os novos detentores do poder praticaram, quase arrastando o povo inocente e confiante para um novo tipo de ditadura.
O estilo é uma espécie de humor negro, levando o leitor sucessivamente a experimentar sentimentos de angústia e lágrimas, para, logo de seguida, o fazer sorrir francamente com as peripécias tão próprias dos jovens, com a sua irreverência, irresponsabilid ade e camaradagem à prova de tudo.
Este livro é um testemunho irrecusável e muito real de uma época crucial da nossa história recente como povo que todos, jovens e menos jovens, deviam ler.
Como obra literária, está muito bem conseguido. Passaria facilmente por uma sensacional obra de ficção, um absorvente romance que se lê com o maior agrado, se não soubéssemos que tudo o que ali se conta é a pura realidade e aconteceu, de facto, com quem o narra.
É uma história com princípio, meio e fim que instrui e diverte. Parabéns ao autor e ao editor que acreditou nele!
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Crash
    Depois de ter lido "Arranha-Céus" de J. G. Ballard, um romance que me deixou a pensar seriamente nos ...
  • 10.07.2019 22:32
  • Amantes de Buenos Aires
    Amantes de Buenos Aires, o novo romance de Alberto S. Santos, baseia-se numa história real e segue a ...
  • 08.07.2019 16:24
  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Árvores são poemas que a terra escreve para o céu. Nós as derrubamos e as transformamos em papel para registar todo o nosso vazio."
Khalil Gibran