A Mulher do Roupão de Seda

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: João Bernardo Soares
Género: Romance
Edição: Fev/2019
Páginas: 216
ISBN: 9789897771767
Editora: Planeta

 

 

 

Toda a gente tem segredos. O dela está fechado num quarto.
Fátima tem um segredo. Estela conhece todos os segredos porque fala com os mortos. Luís Serrano matou um homem inocente para limpar a honra da filha. E Flávio passou a vida a lutar contra um pesadelo que está prestes a tornar-se realidade.

Bem-vindo ao romance de estreia de um autor que mistura, com perícia, lugares e gerações de um país que ainda vive de extremos. Um excelente exemplo de como vale a pena descobrir novos escritores portugueses.

Autor:

João Bernardo Soares nasceu na região de Paris em 1970. Filho único, teve uma infância solitária. Em 1983, muda-se para Portugal e frequenta a Escola Secundária Bordalo Pinheiro, nas Caldas da Rainha, onde passou uma adolescência feliz. Em 1990, vai para Lisboa estudar Comunicação Social no ISCSP. Concluída a Licenciatura, regressa às Caldas, casa, trabalha numa rádio local e dá formação, mas não se sente realizado. Em 2006 torna-se gestor de produto de uma multinacional de exportação. Entre 2010 e 2017 escreve poemas, contos e novelas. A Mulher do Roupão de Seda é o seu primeiro romance.
Reside nas Caldas da Rainha, com a esposa e o filho.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

 "Há mais do que uma maneira de queimar um livro. E o mundo está cheio de pessoas que correm de um lado para o outro com fósforos acesos".
Ray Bradbury in Fahrenheit 451