A Palmeira

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Pedro Goulão
Género: Memórias / Humor
Edição: Out/2018
Páginas: 176
ISBN: 9789897024368
Editora: Guerra & Paz

 

 

 

Este é um livro de bons malandros. Não contem piadas secas
Eis os retractos instantâneos de quatro gerações. Uma espécie de cábula evocativa, um auxiliar de memória, cheio, curiosamente, de memórias aos pedaços da minha família, ao longo de quarenta anos, sempre a passarmos férias juntos. No mesmo sítio. Na mesma altura do ano.

Mas é a hora de dizer a verdade: A Palmeira é a minha primeira autobiografia autorizada. O que faz dela, provavelmente, a mais geograficamente consistente das autobiografias. Nela, encontrarão algumas das melhores pessoas que conheço. E eu.
Sobretudo eu. Bastante melhorado e heróico, seguramente mais magro. Afinal de contas, é a minha autobiografia autorizada, e é mesmo muito possível que algumas das coisas nela retratadas só se tenham passado na minha imaginação. Outras, as inverosímeis, passaram-se mesmo. São quase todas sobre dias felizes. De pistas de caricas na areia, de mar, de mesa, de risos e de livros, de viagens e de sol. De luz e de sombras. E escaldões, sobretudo escaldões.

Autor:

Pedro Goulão é um dos mais talentosos guionistas da sua geração, responsável pelos sketches de alguns dos maiores humoristas portugueses.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21
  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"É fácil que prefiras não escrever, mas sabes quantos olhos estão à espera que continues? É tarde para esses escrúpulos."
José Luís Peixoto, in Em Teu ventre