A Parteira dos Vales

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Manuel Lopes Ferreira
Género: Biografias
Edição: Jan/2020
Páginas: 112
ISBN: 9789725594018
Editora: Manufactura

 

 


A comadre Piedade passou por tremendas dificuldades na vida, lutou sozinha pelo bem-estar dos seus, ajudou muitas e muitas crianças a nascer, cultivou um magnífico sentido de entreajuda e despertou, por todo o lado, amor e respeito.
Sofreu muito, trabalhou ainda mais e pautou a sua vida pela ambição - teremos sempre um objectivo e tudo faremos para o alcançar - e pelo perdão - se não perdoarmos, também não podemos pedir perdão.

No seu funeral havia cerca de duzentas pessoas vindas de perto e de longe. Estiveram presentes muitos dos que admiravam a sua infinita generosidade, mas sobretudo muitos daqueles que ela trouxe ao mundo.
A história extraordinária de uma mulher que, como tantas outras, viveu numa época e num lugar que exigiam sacrifícios quase impensáveis, e que, como poucas, soube dedicar-se aos outros pelo gosto de lhes fazer bem. Um fascinante documento etnográfico que retrata um portugal profundo com hábitos de vida, costumes e crenças que importa não esquecer.

Autor:

Manuel Lopes Ferreira emigrou para França ainda novo e por lá vive ainda. Sentiu a necessidade de nos contar a história da vida de uma mulher que deixou marcas, retratando ao mesmo tempo o modo de vida numa aldeia do interior beirão em meados do século passado.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Pão de Açúcar
    Faz agora em fevereiro catorze anos que se deu um acontecimento que apaixonou o País e deixou os ...
  • 02.02.2020 22:44
  • Budapeste
    Este livro fala de uma profissão que muitos podem considerar ficção, mas é muito real e mais vulgar do ...
  • 18.01.2020 23:22
  • A Luz de Pequim
    Apesar de ter vários livros do autor na estante, ainda não tinha tido a oportunidade de ler qualquer ...
  • 15.01.2020 13:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Quem escreve lembra-me o afogado que desesperado esbraceja para vir à tona. O escritor é isso que faz. Dentro de si, por uma razão qualquer, escasseia o ar. Então, ofegante, arruma o pensamento de acordo com o que as palavras lhe permitem, e assim respira e alivia a sua angústia."
Nuno Lobo Antunes