A Próxima Vez

FaceBook  Twitter  

Autor: Marc Levy
Reedição: Mar/2010 (1ª Edição: Jul/2005)
Páginas: 232
Editora: Contraponto

Jonathan é um especialista em arte com uma paixão inexplicável pela obra do pintor russo Vladimir Radskin. Quando, nas vésperas do seu casamento, lhe chega a notícia de que uma galeria em Londres tem em sua posse cinco quadros do pintor – entre eles, possivelmente, a sua mítica última obra, A Jovem de Vestido Vermelho, misteriosamente desaparecida em 1868 –, Jonathan não hesita em partir.
Ao chegar a Londres, encontra Clara, a dona da galeria, e é acometido por uma forte sensação de déjà vu: certamente já viu aquele rosto, já ouviu aquela voz. Mas onde, e quando? Será que entre eles há algo mais em comum do que uma paixão por pintura?
A sua busca leva-os da galeria em Picadilly Circus a uma loja de tintas em Florença, de um laboratório no Louvre a uma misteriosa mansão em Inglaterra. Quanto mais Jonathan e Clara descobrem acerca da última obra de Radskin, mais descobrem acerca de si próprios: três vidas muito diferentes, três destinos entrelaçados, presos numa corrida contra o tempo...

Autor:
Marc Levy é o autor de língua francesa mais lido em todo o mundo: os seus livros contam já com mais de 17 milhões de exemplares vendidos em mais de 41 países. Mas este autor não é só um favorito entre os leitores como também a crítica tem reconhecido o seu talento excepcional como contador de histórias originais, provocantes e sempre comoventes.
Nasceu em Boulogne Bilancourt, em 1961. Aos 18 anos, juntou-se à Cruz Vermelha Francesa, instituição com a qual colaborou durante seis anos. Paralelamente, formou-se em Gestão e Informática na Université Paris-Dauphine. Em 1983, fundou uma empresa especializada em design e informática, com projectos em França e nos EUA. Mais tarde, viria a dedicar-se ao design de interiores, fundando outra firma em Paris.
Aos 37 anos de idade, Marc Levy escreveu o seu primeiro romance. E Se Fosse Verdade… começou por ser uma história destinada ao homem que o seu filho viria a ser. Encorajado pela irmã, enviou o manuscrito a uma editora, que aceitou publicá-lo. O sucesso fez-se sentir imediatamente e, desde então, os seus romances são presença constante nas listas de best-sellers. Marc Levy tem-se dedicado inteiramente à escrita e dois dos seus romances foram já adaptados com grande sucesso ao cinema.

Comentários  

 
+1 #6 Júlia 2010-11-27 02:07
Simplesmente brilhante! Cada vez gosto mais deste autor.

Jonathan, perito em arte, é apaixonado desde tenra idade pelo pintor russo Vladimir Radskin e sobretudo por descobrir a sua última mítica obra "A Jovem de Vestido Vermelho". Juntamente com o seu amigo Peter, leiloeiro, com quem mantém uma amizade e cumplicidade cheias de humor, viaja para Londres na esperança de encontrar o mítico quadro. Jonathan, apesar de estar a poucos dias de casar, não nega a empatia que sentiu assim que colocou os olhos na proprietária da Gallery, Clara.

Um romance muito romântico, cheio de acção e mistério onde o autor nos leva a viajar desta vez por Toscana, Paris, Londres e Boston.
 
 
#5 Sílvia 2010-10-25 08:48
Não conhecia nada deste autor. Portanto, motivada pelas boas críticas como sendo um dos melhores escritores franceses da actualidade, decidi escolher este livro.
Esta é uma história cheia de acção, aventura, desencontros e, como romance que é, carregada de muito amor. O início é muito morno e senti alguma dificuldade em encontrar motivo para continuar ler. No entanto, ao longo do enredo, a história vai aquecendo e tornando-se mais “apetecível”. O final do livro é tão rápido e surpreendente que, quando terminei, fiquei com a sensação de ter estado dentro da história!
Apesar de ter sido uma leitura agradável, não fiquei fã deste autor…
 
 
#4 Helena 2010-09-21 23:57
Os livros de Marc Levy são arrebatadores e envolventes. A história surpreende-nos e prende-nos com dados que não cogitamos, mostra como os sentimentos podem ser eternos e os destinos de duas ou mais pessoas podem estar determinados.
Mas, o que mais me agrada são os bem humorados diálogos das personagens. E que personagens... maravilhosas!!!
Para mim, este escritor consegue ser prodigioso a contar uma história, porque, sem ser lamechas, escreve sobre a amizade e o amor de um modo profundo e sentido.
 
 
#3 Catia Silva 2010-09-07 19:58
Um livro de nos tirar a respiração. Uma história maravilhosa, um escritor que sabe contar as histórias de uma forma fenomenal, que nos prende desde a primeira palavra até à última pontuação.
Uma história que nos fala do amor que é capaz de resistir o passar dos séculos e até à morte. Um amor tão forte, que se repete através das reencarnações das principais personagens do romance.

Não existe nenhum livro deste escritor que não me tenha arrebatado.
 
 
#2 Vera Mouta 2010-04-05 20:50
Já li este livro há alguns anos atrás e gostei imenso da história. Tem um pouco de paranormal, da vida depois da morte e reconhecermos alguém que foi importante para nós noutra vida, de termos aquela sensação de déjà vu.
Aliás eu gosto imenso dos livros deste autor, apesar de ainda não ter lido os últimos que saíram.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Eça de Queiroz segundo Fradique Mendes
    Depois de ler várias obras de Sónia Louro, concluo que a sua escrita está cada vez melhor. Este livro ...
  • 14.01.2019 00:06
  • Cinco Meninos, Cinco Ratos
    Este livro é o segundo volume da série "Mitologias" e pouco mais poderei acrescentar à minha apreciação ...
  • 26.12.2018 21:37
  • O Judeu
    Bernardo Santareno é, sem dúvida, um dos maiores, se não o maior dramaturgo português do século XX. Era ...
  • 07.12.2018 13:53

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna