A Resignação

FaceBook  Twitter  

 

 

Autores: Luís Miguel Rocha, Porfírio Pereira da Silva e Rui Sequeira
Género: Thriller Religioso
Edição: Mai/2018
Páginas: 296
ISBN: 9789720030924
Editora: Porto Editora

 

 


Em dezembro de 2012, Bento XVI recebeu de uma comissão de cardeais um relatório de 300 páginas sobre o mediático caso “Vatileaks”. Dois meses depois, no dia 11 de fevereiro de 2013, evocando razões de saúde, e ciente da gravidade da sua decisão, o Papa anunciou ao mundo que resignaria ao trono de São Pedro. Não se sentia capaz, física e espiritualmente, para continuar a exercer o cargo.

Que segredos comprometedores guarda o extenso relatório? A resignação terá acontecido por razões de saúde, como o Bento XVI anunciou, ou por pressões políticas que jamais serão tornadas públicas?
Os mistérios de tão inesperada decisão serão agora revelados.

De Luís Miguel Rocha no Segredo dos Livros:
Bala Santa
Curiosidades do Vaticano
A Filha do Papa
A Mentira Sagrada

Autor:

Luís Miguel Rocha nasceu na cidade do Porto, em 1976. Foi técnico de imagem, tradutor, editor e guionista, até se dedicar em exclusivo à escrita. Publicou seis títulos: Um País Encantado, O Último Papa, Bala Santa, A Virgem, A Mentira Sagrada e A Filha do Papa. A título póstumo foi publicada a sua obra de não ficção Curiosidades do Vaticano. As suas obras estão traduzidas em mais de 30 países. O Último Papa marcou presença no top do The New York Times e vendeu meio milhão de exemplares em todo o mundo. Luís Miguel Rocha morreu a 26 de março de 2015, em Viana do Castelo.
Autor:

Porfírio Pereira da Silva é fundador e diretor do jornal Foz do Lima e da revista Íbis. Entre 1999 e 2005, foi presidente da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Alto Minho. Atualmente desempenha funções de técnico superior na Biblioteca Pública Municipal de Viana do Castelo. É autor de obras de poesia, romances e livros de História e colabora assiduamente com a imprensa regional.

Autor:

Rui Sequeira é um entusiasta da cultura e dos povos, um apaixonado por História, nomeadamente da Antiguidade. Essa paixão reflete-se na sua escrita, que combina a História com o fantástico. É autor de O Segredo de Tutankamon. A escrita é um escape da vida stressante de uma profissão ligada aos ERP de Gestão.

Comentários  

 
#1 Sebastião Barata 2018-06-28 16:02
Esperei ansiosamente este livro quando foi anunciada a sua próxima edição e fiquei imensamente triste quando faleceu o autor e a sua editora o cancelou. Quando foi anunciado que, afinal, foi concluído com a participação de dois escritores e amigos do Luís, voltou-me a esperança.

Não sei em que ponto estava o manuscrito do livro "A Resignação", quando, infelizmente, o autor nos deixou. Provavelmente, estava muito atrasado, porque, na minha opinião, tem substanciais diferenças em relação aos anteriores. Mantém-se a fórmula que fez o sucesso das outras obras, mas nota-se a intervenção do dedo alheio, além de que a história é muito simples e pouco traz de verdadeiramente inesperado, a não ser o destino final do sempre adiado amor entre Rafael e Sarah. Será que é agora que o duro, inflexível e fiel à sua missão de justiceiro do Papa vai ceder à sua atração pela bela jornalista que o ama profundamente? Só saberá no final do livro.

Tudo começa por alturas do Natal, quando Bento XVI recebe o relatório que encomendou, com a finalidade de saber o que havia de verdade nos boatos que circulavam sobre 3 temas candentes que estavam a ameaçar a credibilidade da Igreja Católica. Esse relatório seria de tal modo demolidor que o Papa, mais dotado para a gestão das coisas do Céu do que as da gestão das coisas terrenas, não aguentou a pressão e só encontrou uma saída: resignar e deixar espaço para alguém com outro perfil, que fosse capaz de "meter alguma ordem na casa", neste caso a Casa de Deus na Terra. O romance abrange os 2 meses desde essa data até ao anúncio da renúncia em 11 de fevereiro de 2013.

O(s) autor(es) apresenta as forças em confronto: os que querem manter o statu quo a todo o custo e por todos os meios (mesmo todos) e os que querem a renovação também a todo o custo e por todos os meios. Aqui há alguma novidade, ao ser-nos apresentada uma Organização até agora desconhecida que enfrenta os "sodanistas" e vai ganhar finalmente, ao conseguir a eleição do cardeal jesuíta, que tinha falhado em 2005.

O livro está dividido em três partes, cada uma com o título de uma das encíclicas de Bento XVI, o que achei interessante e de que talvez os leitores menos informados não se deem conta ou se interroguem do significado daqueles títulos em latim.

Penso que talvez o Luís (é uma especulação minha) tenha pensado em escrever este livro como o seu testamento, por calcular que o seu fim estaria próximo. Só assim se justifica o atar de algumas pontas que sempre manteve soltas nos livros anteriores, como sendo um final deliberado para a sua produção literária. É o caso da relação entre Sarah, o seu pai português, o enigmático JC e uma misteriosa e temperamental violinista, de seu nome Astrid, que adorava Tolstoi.

Agradeço pessoalmente à Porto Editora e ao seu corpo editorial, assim como aos escritores convidados para terminar o livro, por terem proporcionado aos fiéis leitores de Luís Miguel Rocha a possibilidade de fazerem, também eles, a sua despedida deste grande escritor português que tão prematuramente nos foi levado.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Trilogia da Mão - Amadeo, Guilhermina, Rosa
    A "Trilogia da Mão" é um conjunto de três livros agora editados num volume só. Nesta trilogia, Mário ...
  • 11.10.2018 22:10
  • O Bibliotecário
    Trabalho numa biblioteca, e talvez por isso ofereceram-me esse livro. Tem um nome aliciante e uma ...
  • 14.09.2018 11:06
  • A Terra de Naumãn
    Quem disse que em Portugal não se faz boa ficção científica? Este novo romance de H. G. Cancela ...
  • 01.09.2018 10:34

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Quando lemos, conseguimos viajar para muitos lugares, encontrar muitas pessoas e conhecer o mundo. Também podemos aprender a lidar com os problemas que tenhamos, instruindo-nos com as lições do passado."
Nelson Mandela