A Sibila

FaceBook  Twitter  

 

 

Autora: Agustina Bessa-Luís
Género: Romance
Edição: Jul/2017
Páginas: 268
ISBN: 9789896417475
Editora: Relógio D'Água

 

 


«Foi há dez anos que o milagre, já anteriormente preparado, teve lugar na praça pública. Não há assim tantos que um verdadeiro não mereça ser glorificado como convém. O que Sibila e a sua descendência significam não precisa de ser sublinhado por contraste. Mas este mundo romanesco, pelo seu simples aparecimento, deslocou o centro da atenção literária.» Eduardo Lourenço na revista Colóquio de Dezembro de 1963.

Prefácio de Gonçalo M. Tavares

Desta autora no Segredo dos Livros:

O Concerto Dos Flamengos
Dentes de Rato

Autora:

Agustina Bessa-Luís nasceu em Vila Meã, Amarante, a 15 de Outubro de 1922. Filha de um empresário de cinemas e casinos, cedo se deixou viciar pelo romance, iluminada roleta dos comportamentos humanos. Foi com o profético título «A Sibila» que publicou em 1954 que veio a ser reconhecida ao público em geral ao receber o Prémio Delfim Guimarães e o Prémio Eça de Queiroz. Vários dos seus romances foram adaptados ao cinema por Manoel de Oliveira. Foi, durante a sua vida, homenageada em múltiplos países e universidades, condecorada por Portugal e pela França e traduzida em várias línguas. Já foi distinguida por todos os prémios nacionais de literatura e vários internacionais. Recebeu o Prémio Camões em 2004.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Hoje Estarás Comigo no Paraíso
    O título "hoje estarás comigo no paraíso", que reproduz as palavras de Jesus Cristo dirigidas no alto ...
  • 18.07.2017 09:30
  • A Avó e a Neve Russa
    Estamos perante um livro encantador, com uma história narrada por uma criança, mas que não tem nada de ...
  • 29.06.2017 20:31
  • A Profecia de João XXIII
    O mito da Atlântida tem apaixonado a humanidade desde o tempo de Platão, um filósofo grego que viveu ...
  • 18.06.2017 09:45

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Era uma vez uma mulher cujo ofício era contar histórias. Andava por todo o lado oferecendo a sua mercadoria, relatos de aventuras, de suspense, de horror ou de luxúria, tudo a um preço justo. Num meio dia de agosto encontrava-se no centro de uma praça quando viu avançar na sua direção um homem (...) És tu a que conta histórias?, perguntou o estrangeiro. (...) Então vende-me um passado, porque o meu está cheio de sangue e de lamentos e não me serve para percorrer a vida."
Isabel Allende
in Eva Luna