A Tentação de D. Fernando

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Jorge Sousa Correia
Género: Romance Histórico
Edição: Fev/2017
Páginas: 432
ISBN: 9789897243448
Editora: Clube do Autor

 

 


Uma história que desvenda os cenários políticos de um reino à beira de perder a independência.
Quais os vícios de D. Fernando e da sua época? Como governou o reino e permitiu a devassa da Corte? De que forma ascendeu ao poder D. Leonor Teles? Que alianças ameaçaram Portugal? Porque razão o povo saiu à rua para se revoltar?
Neste livro, Jorge Sousa Correia partilha com os leitores as intrigas e os escândalos que levaram D. Fernando a cair em tentação.

No registo que já conhecemos, o autor apresenta um novo romance pleno de ritmo, e emoção, e uma escrita verdadeiramente empolgante. Ao longo das suas páginas acompanhamos o fim da 1ª Dinastia, resultado, em boa parte, da ambição e grande predileção do Rei pelos prazeres amorosos (e pouco gosto pelas batalhas) e a ascensão do Mestre de Avis.

Deste autor no Segredo dos Livros:
A Traição de D. Manuel I

Autor:

Jorge de Sousa Correia é licenciado em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Serviu na Força Aérea entre 1965 e 1969, tendo sido destacado para Angola nos dois últimos anos. Foi professor de História na Escola Secundária do Pinhal Novo e trabalhou numa empresa metalúrgica.
Estreou-se no romance em 2013 com O Mistério do Infante Santo.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Sinal de Vida
    Neste dia em que começam verdadeiramente os trabalhos da Web Summit, dou comigo a comentar Sinal ...
  • 07.11.2017 12:32
  • Inferno em Lisboa
    O que encontramos neste thriller? Um lote de personagens bastante bem construídas; uma história ...
  • 23.10.2017 22:37
  • A Sociedade dos Sonhadores Involuntários
    Este romance é a mais recente obra de José Eduardo Agualusa e também a que trata um tema mais atual.
  • 15.10.2017 20:44

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Árvores são poemas que a terra escreve para o céu. Nós as derrubamos e as transformamos em papel para registar todo o nosso vazio."
Khalil Gibran