Adeus, Avó!

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Augusto Reis
Género: Romance histórico
Edição: Fev/2017
Páginas: 408
ISBN: 9789897022517
Editora: Guerra & Paz

 

 

Ecos do passado colonial
Entre Angola, Cabo Verde e a Índia, esta é uma incrível viagem ao fim do império colonial.
Tôko ou Sebastião, nome da caderneta de indígena, é um contratado. Há várias gerações que a família trabalha nas plantações de algodão, em condições de quase escravatura.
Estamos no início dos anos 60, na Baixa do Cassanje, Nordeste de Angola.
Um terrível massacre marcará para sempre a sua vida e a de toda uma geração.

Com mestria e habilidade, Augusto Reis tece um enredo que une o quase escravo das plantações de algodão Tôko e o endiabrado Tininho que acaba de chegar a Luanda, nos anos 60, já depois de ter trocado Lisboa por Goa e de se ter perdido em Cabo Verde, terra da sua querida avó, Maria Galvão. Que histórias unem estes dois destinos?

Autor:

Augusto Reis é um português que viveu na Índia, em Cabo Verde e Angola, passou novamente por Lisboa e que, há cerca de 40 anos, se fixou na Holanda. Professor de Línguas e História da Cultura, dedica-se a decifrar perspetivas sobre Angola, denunciar abusos cometidos durante a colonização e analisar momentos e processos que iniciaram a queda do colonialismo.
Adeus, avó! é o seu romance de estreia.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Recriação do Mundo
    Não é segredo que a Alemanha e a URSS correram contra o tempo e contra os Estados Unidos da América para ...
  • 22.09.2019 13:21
  • Hugo Chávez, o colapso da Venezuela
    Gosto de estar bem informado e não fazer juízos sem conhecimento de causa. O governo da Venezuela tem ...
  • 02.09.2019 14:09
  • Autobiografia
    "Autobiografia" , o novo romance de José Luís Peixoto, é o 3º livro que leio deste autor. Os anteriores ...
  • 18.08.2019 17:41

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

 "Há mais do que uma maneira de queimar um livro. E o mundo está cheio de pessoas que correm de um lado para o outro com fósforos acesos".
Ray Bradbury in Fahrenheit 451