Amor de Perdição

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Camilo Castelo Branco
Género: Romance
Edição: Jun/2019
Páginas: 208
ISBN: 9789897110443
Editora: Livros do Brasil

 

 


Escrita em quinze intensos dias de prisão e com base na sua própria experiência, a obra-prima de Camilo Castelo Branco é um exemplo maior do movimento romântico português. Esta é a história do amor de Simão Botelho e Teresa Albuquerque, ele de dezassete anos, ela de quinze; um amor singular que não esmorece face à oposição das suas famílias fidalgas, a perseguições, a condenações, ao exílio; uma paixão pungente a que se juntará a jovem Mariana, e que não poderá acabar senão tragicamente.

Alcançando grande êxito assim que foi dado à estampa, em 1862, Amor de Perdição continua a ser o mais lido romance de Camilo Castelo Branco e é uma das mais apaixonantes histórias de amor da literatura portuguesa.
Esta obra está indicada nas Metas Curriculares de Português para o Ensino Secundário (11.º ano).

Deste autor no Segredo dos Livros:
1000 Frases de Camilo Castelo Branco (com seleção de Luís Naves)

Autor:

Camilo Castelo Branco nasceu em Lisboa a 16 de Março de 1825. Foi registado como filho de mãe incógnita, porque o seu pai e a sua avó não queriam que o nome Castelo Branco estivesse envolvido com alguém de tão humilde condição. Ficou órfão de mãe aos dois anos e de pai aos nove. A morte do pai obrigou-o a ir viver em Vila Real de Trás-os-Montes com uma tia paterna. Como era uma criança sensível e muito inteligente, sofreu grandes perturbações com todos os acontecimentos da sua infância. Ao longo da sua existência revelou-se um falhado nos estudos e nos amores. Casou aos 16 anos, mas enviuvou aos 22. Em 1856, iniciou o relacionamento amoroso com Ana Plácido, uma mulher casada, situação pela qual chegou a estar preso. Em 1864, a sua produção literária já era enorme e decidiu fixar-se na quinta de S. Miguel de Ceide, que Ana Plácido herdou do seu marido, entretanto falecido. A partir de 1881, começou a ficar cada vez mais doente, acabando por cegar. Impossibilitado de escrever (a escrita foi, no fim de contas, a sua grande paixão), suicidou-se com um tiro de revólver a 1 de Junho de 1890, na sua casa de Ceide, Vila Nova de Famalicão.
Camilo foi um escritor muito prolífico, escrevendo muitas vezes por necessidades económicas, sendo considerado o primeiro escritor profissional português. As suas obras principais são: "A Filha do Arcediago" (1855); "Onde está a Felicidade?" (1856); "Vingança" (1858); "O Romance dum Homem Rico" (1861); "Amor de Perdição" (1862); "Memórias do Cárcere" (1862); "O Bem e o Mal" (1863); "Vinte Horas de Liteira" (1864); "A Queda dum Anjo" (1865); "O Retrato de Ricardina" (1868); "A Mulher Fatal" (1870); "O Regicida" (1874); "Novelas do Minho" (1875-1877); "Eusébio Macário" (1879); "A Brasileira de Prazins" (1882). Além das obras em prosa narrativa, Camilo escreveu poesia, teatro, de que se deve destacar "O Morgado de Fafe em Lisboa" (1861) e "O Morgado de Fafe Amoroso" (1865), dezenas de traduções (do francês e do inglês), polémica, prefácios, biografia, história, crítica literária, jornalismo e epistolografia (compreendendo mais de duas mil cartas).

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Pão de Açúcar
    Faz agora em fevereiro catorze anos que se deu um acontecimento que apaixonou o País e deixou os ...
  • 02.02.2020 22:44
  • Budapeste
    Este livro fala de uma profissão que muitos podem considerar ficção, mas é muito real e mais vulgar do ...
  • 18.01.2020 23:22
  • A Luz de Pequim
    Apesar de ter vários livros do autor na estante, ainda não tinha tido a oportunidade de ler qualquer ...
  • 15.01.2020 13:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Como um dia alguém me ensinou, os bons amigos são como os livros, nunca partem de vez. Sempre ficam no nosso coração."
Alberto S. Santos, in Para lá de Bagdad