As Cinquenta Sombras de Grey

 

 

   

Autora: E.L. James
Trilogia: As cinquenta Sobras de Grey (Vol. 1) 
Edição: Jul/2012
Páginas: 552
ISBN: 9789892319957
Editora: Lua de Papel

 

 

O início da trilogia de que todas as mulheres estão a falar… discretamente. 
Anastasia Steele é uma estudante de literatura jovem e inexperiente. Christian Grey é o temido e carismático presidente de uma poderosa corporação internacional. O destino levará Anastasia a entrevistá-lo. No ambiente sofisticado e luxuoso de um arranha-céus, ela descobre-se estranhamente atraída por aquele homem enigmático, cuja beleza corta a respiração. Voltarão a encontrar-se dias mais tarde, por acaso ou talvez não.

O implacável homem de negócios revela-se incapaz de resistir ao discreto charme da estudante. Ele quer desesperadamente possuí-la. Mas apenas se ela aceitar os bizarros termos que ele propõe… Anastasia hesita. Todo aquele poder a assusta – os aviões privados, os carros topo de gama, os guarda-costas… Mas teme ainda mais as peculiares inclinações de Grey, as suas exigências, a obsessão pelo controlo… E uma voracidade sexual que parece não conhecer quaisquer limites. Dividida entre os negros segredos que ele esconde e o seu próprio e irreprimível desejo, Anastasia vacila. Estará pronta para ceder? Para entrar finalmente no Quarto Vermelho da Dor?
As Cinquenta Sombras de Grey
é um romance obsessivo, viciante e que fica na nossa memória para sempre.

Trilogia Fifty Shades:
As Cinquenta Sombras de Grey (Fifty Shades of Grey) é o primeiro volume desta trilogia de E. L. James que é já o maior fenómeno literário do ano em todos os países onde foi publicado.
Os restantes volumes desta trilogia  são As Cinquenta Sombras Mais Negras (Fifty Shades Darker) e As Cinquenta Sombras Livres (Fifty Shades Freed) que a Lua de Papel vai publicar em outubro de 2012 e fevereiro de 2013, respetivamente.

Autor – E.L. James

Autora:

E.L. James trabalha como executiva na televisão, é casada, tem dois filhos e vive em Londres. Desde criança que sonhava escrever histórias que apaixonassem os leitores, mas teve de suspender esse sonho para se focar na sua família e na sua carreira. Quando finalmente teve coragem, durante 18 meses dedicou-se a escrever o seu primeiro romance, As Cinquenta Sombras de Grey, que deu início à mais ousada, discutida e polémica trilogia do Século XXI.
Foi eleita como uma das 100 personalidades mais influentes do ano pela revista Time.

Consulte o Site da autora em www.eljamesauthor.com

12 comentários
1 like
Anterior: A Valsa EsquecidaSeguinte: Miramar

Comentários

  • Cíntia Dias

    Março 20, 2016 às 16:58
    Responder

    Lembro-me de ler a trilogia e ter gostado de ter lido. Mas depois, ao pensar na história, concluí que esta era, principalmente, acerca de um homem possessivo e "stalker", e de uma rapariga indefesa que considero como vítima. Acaba por parecer que ela tem doença de Estocolmo.Posso estar a ser muito crítica, mas há livros eróticos, até sobre sadomasoquismo, muito melhores do que este. Este ganhou fama, porque foi uma novidade e estava presente em todas as lojas e supermercados, e também por ter uma capa discreta, com uma aparência que não parece ter um cariz sexual (dou os parabéns […] Ler Mais...Lembro-me de ler a trilogia e ter gostado de ter lido. Mas depois, ao pensar na história, concluí que esta era, principalmente, acerca de um homem possessivo e "stalker", e de uma rapariga indefesa que considero como vítima. Acaba por parecer que ela tem doença de Estocolmo.Posso estar a ser muito crítica, mas há livros eróticos, até sobre sadomasoquismo, muito melhores do que este. Este ganhou fama, porque foi uma novidade e estava presente em todas as lojas e supermercados, e também por ter uma capa discreta, com uma aparência que não parece ter um cariz sexual (dou os parabéns por esta ideia). Read Less

  • Maria Manuel

    Janeiro 24, 2015 às 22:24
    Responder

    Concordo que já não há muito mais a dizer. Para mim, foi algo dececionante. Esperava, garantidamente, mais de um romance tão badalado. Enfim... Não vai deixar saudades!

  • Maggie

    Maio 27, 2013 às 21:29
    Responder

    Acabei de ler este livro há pouco tempo e lamento dizer que não gostei... Tinha um enredo pouco elaborado, com passagens demasiado fantasiosas e irrealistas e personagens a pender para o irritante, principalmente ela.Mas gostos são gostos.

  • Maria João

    Abril 21, 2013 às 20:30
    Responder

    Todos falam tanto desta trilogia, que eu tinha de experimentar. Não acho que tenha nada por aí além, como se costuma dizer. Se calhar, por ter lido outro do género anteriormente, não sei.É daqueles livros que não traz nada de novo. Lê-se bem, não exige demais do leitor e proporcionou-me umas boas gargalhadas.

  • Sandra Nunes

    Novembro 30, 2012 às 21:34
    Responder

    O que mais dizer sobre este livro, que ainda não tenha sido dito? Sinceramente não sei. O que sei é que, à parte de toda a controvérsia que gerou, a verdade é que gostei de lê-lo e estou desejando ler o seguinte. Não é uma obra-prima, não está escrito com esmero, e depois? Há livros que são puro entretenimento e mais nada. E, para mim, este livro foi precisamente isso. Pura oportunidade para abstrair-me de tudo o resto e, por momentos, perder-me num mundo à parte.

  • Joana Cardoso

    Outubro 13, 2012 às 14:04
    Responder

    Sou uma acérrima leitora de romances eróticos, sejam eles sobrenaturais ou não sobrenaturais. Sou uma leitora que gosta de uma cena de sexo bem escrita e descrita, que me faça prender a respiração e me deixe corada. Assim sendo, quando ouvi falar neste livro, ouvi boas e más críticas. Se, por um lado, toda a gente adorava e achava que tinha uma história linda e que as cenas de sexo eram super escaldantes, por outro lado havia aquelas pessoas para quem o livro não tinha nada para dar, a história era diminuta, as personagens mesquinhas e as cenas de sexo […] Ler Mais...Sou uma acérrima leitora de romances eróticos, sejam eles sobrenaturais ou não sobrenaturais. Sou uma leitora que gosta de uma cena de sexo bem escrita e descrita, que me faça prender a respiração e me deixe corada. Assim sendo, quando ouvi falar neste livro, ouvi boas e más críticas. Se, por um lado, toda a gente adorava e achava que tinha uma história linda e que as cenas de sexo eram super escaldantes, por outro lado havia aquelas pessoas para quem o livro não tinha nada para dar, a história era diminuta, as personagens mesquinhas e as cenas de sexo raiavam o ridículo.Eu tenho uma opinião um pouco entre as duas. Achei a história que está por trás de tanto sexo, engraçada e fiquei com curiosidade em saber o que realmente aconteceu ao Grey, para ele se tornar na pessoa que é e porque é que o que a Elena lhe fez, foi uma maneira de o salvar. Houve certas passagens que achei engraçadas e outras que me coraram ligeiramente, mas tenho que confessar, estava à espera de mais nas partes quentes. Já tinha lido anteriormente livros com a temática Dom/Sub e tenho que dizer que este ficou um pouco aquém. Até porque a ideia é que a Sub tenha mais prazer que o Dom, e isso não é realçado neste livro. Outra coisa que me irritou sobremaneira, foi o livro ser tão explícito em certas coisas, incluindo alguns pensamentos da Ana, e depois, quando ela ficava excitada, dizer que tinha calor "lá". Por favor... As constantes repetições de "os seus olhos cinzentos", "a sua pele imaculada", etc. faziam-me, em determinadas alturas, perguntar se ela seria só pele e se ele seria só ancas e calças.As personagens em si são um bocadinho adimensionais, principalmente a Ana. Achei que ela poderia ser uma pessoa de mais garra; apenas no final mostrou ter um pouco de backbone e isso agradou-me. A minha esperança é que esta sua faceta se mantenha. Gostei também da sua Deusa interior. Ela fazia-me rir, porque tenho uma idade parecida à da Ana e, em certas alturas, pensava que, se a situação fosse comigo, a minha Deusa estaria provavelmente a fazer o mesmo tipo de malabarismos!Resumindo e baralhando: achei que é um daqueles livros que se leem facilmente e bastante depressa. Linguagem simples, história bastante linear, enfim, um daqueles livros só para desanuviar. Mas, para o ler, a pessoa terá que estar mesmo para aí virada, senão apenas irá ficar frustrada e com vontade de usar o livro como base para tachos e panelas. Read Less

  • PCCST

    Setembro 24, 2012 às 17:02
    Responder

    Quando iniciei a leitura deste livro, tentei abstrair-me de toda a polémica que gira em torno dele. É que muito se tem falado d'As Cinquenta Sombras de Grey. Muitos admitem ter adorado, outros tantos afirmam não ter gostado de todo. Por isso, quando peguei neste livro, tentei começá-lo de uma forma neutra, firmando-me apenas no tema abordado: um romance verdadeiramente escaldante e sexual. É-nos assim apresentada a doce e inocente Anastacia Steele, uma jovem finalista universitária, que "tropeça" literalmente em Christian Grey, um multimilionário extremamente sensual e misterioso que, desde o primeiro minuto, revela o seu lado autoritário e controlador. […] Ler Mais...Quando iniciei a leitura deste livro, tentei abstrair-me de toda a polémica que gira em torno dele. É que muito se tem falado d'As Cinquenta Sombras de Grey. Muitos admitem ter adorado, outros tantos afirmam não ter gostado de todo. Por isso, quando peguei neste livro, tentei começá-lo de uma forma neutra, firmando-me apenas no tema abordado: um romance verdadeiramente escaldante e sexual. É-nos assim apresentada a doce e inocente Anastacia Steele, uma jovem finalista universitária, que "tropeça" literalmente em Christian Grey, um multimilionário extremamente sensual e misterioso que, desde o primeiro minuto, revela o seu lado autoritário e controlador. Logo de imediato, há algo que nasce entre ambos e, através de vários capítulos, vamos conhecendo melhor as personagens e todo o jogo de sedução. No entanto, Grey esconde-se atrás das suas cinquenta sombras e há mistérios e curiosidades que Anastacia quer ver desvendadas. Achei este livro extremamente viciante. Apesar das suas 552 páginas, li-o em dois dias. O enredo é muito interessante e acabamos por querer saber qual é a resposta ao acordo, por parte de Anastacia Steele. Isto porque, apesar de toda a descrição de cariz sexual que aqui podemos encontrar, há também um romance a despontar entre as personagens principais. Li muitas opiniões em que se dizia não compreender o impasse por parte de Anastacia: ou queria ou não queria. Mas eu acabo por compreender esta indecisão: estava em jogo Christian Grey, o homem por quem ela se apaixonou; ao aceitar o acordo, teria que se sujeitar a atos que não conhecia muito bem, mas, caso não aceitasse, perderia a pessoa de quem gosta. O final é, sem dúvida, um amargo de boca, pelo que estou mais do que expectante pelo segundo volume desta trilogia! Read Less

  • Inês Santos

    Setembro 15, 2012 às 13:48
    Responder

    A expectativa e o falatório era muito. Por isso, quando peguei no livro e li a primeira página veio tudo por aí abaixo! Três vezes a palavra "Bolas" na primeira página, em que o texto nem sequer ocupa a página toda?!Logo aqui foi um exemplo do que depois iria encontrar ao longo da obra de James: uma linguagem muito juvenil para a faixa etária das personagens e conteúdo sexual. Isto acabou por transformar a personagem principal, Anastasia Steele, que, apesar de ser uma jovem adulta, a terminar o seu curso e que supostamente teria uma postura séria e madura, me […] Ler Mais...A expectativa e o falatório era muito. Por isso, quando peguei no livro e li a primeira página veio tudo por aí abaixo! Três vezes a palavra "Bolas" na primeira página, em que o texto nem sequer ocupa a página toda?!Logo aqui foi um exemplo do que depois iria encontrar ao longo da obra de James: uma linguagem muito juvenil para a faixa etária das personagens e conteúdo sexual. Isto acabou por transformar a personagem principal, Anastasia Steele, que, apesar de ser uma jovem adulta, a terminar o seu curso e que supostamente teria uma postura séria e madura, me pareceu uma mulher com cérebro e atitudes de miúda de 14 anos que, apesar de ser virgem e pura, se deixa levar por um homem mais velho e podre de rico e o deixa fazer tudo o que quer... até às últimas páginas em que, finalmente, consegue ter uma atitude em concordância com os seus valores.A transformação de Anastacia em Ana também não foi muito positiva, visto que Ana não é um diminutivo e sim um outro nome (pelo menos cá em Portugal).Mas quem é que mete um contrato por inteiro num livro, mesmo que os parâmetros sejam aqueles? Eu sabia que ia haver um contrato, não sabia é que o iam pôr literalmente ali. Não sabem o que são anexos? Ainda por cima, repetiram partes deles no resto do livro...A constante referência às cinquenta sombras não me pareceu muito clara, ou seja, não percebi o que é que Grey quis dizer com isso logo à primeira, nem porque é que Anastasia estava sempre a repeti-lo e a inclui-lo nos seus pensamentos.Segundo consta, esta obra começou por ser uma fanfic da saga Twilight de Stephanie Meyer. Está claro que, ao longo do livro, fui tentando encontrar essa "inspiração" e acabei por reconhecer alguns pontos, como a personalidade de Anastasia, a riqueza de Christian e o físico de José. Estes foram muito menos do que os que imaginava, o que acabou por ser um ponto a favor para E.L. James, tal como a parte romântica e a vulnerabilidade de Christian.Também gostei da relação da amiga de Anastasia com o irmão de Christian e tenho pena de não haver uma obra à parte mais centrada neles.Concluindo: pensei que era melhor, mas também cheguei a pensar que fosse pior, e confesso que o livro foi melhorando aos poucos na segunda parte, acabando num final satisfatório. Creio que este facto se deve a nos irmos habituando e, por isso, ignorando a escrita de E.L. James, tal como a personalidade da personagem feminina. Read Less

  • Sónia Cristina Sousa Melo

    Agosto 17, 2012 às 23:52
    Responder

    Sinceramente e na minha humilde opinião, não gostei deste livro. Simplesmente não consegui acabar de o ler, o que é um feito inédito, porque eu nunca, mas mesmo nunca, deixo uma leitura por acabar, mesmo que tenha uma vontade incrível de o fazer. Posso enunciar várias razões para não ter gostado do livro e nenhuma se prende com o tema pouco convencional, garanto. Pensei até, quando comprei o livro, que esta leitura poderia revelar-se uma autêntica lufada de ar fresco, mas estava enganada. Não achei a escrita cativante, pelo contrário achei-a maçadora e muito repetitiva. Não gostei da protagonista, principalmente […] Ler Mais...Sinceramente e na minha humilde opinião, não gostei deste livro. Simplesmente não consegui acabar de o ler, o que é um feito inédito, porque eu nunca, mas mesmo nunca, deixo uma leitura por acabar, mesmo que tenha uma vontade incrível de o fazer. Posso enunciar várias razões para não ter gostado do livro e nenhuma se prende com o tema pouco convencional, garanto. Pensei até, quando comprei o livro, que esta leitura poderia revelar-se uma autêntica lufada de ar fresco, mas estava enganada. Não achei a escrita cativante, pelo contrário achei-a maçadora e muito repetitiva. Não gostei da protagonista, principalmente da maneira como se sujeitava a algo que não desejava, só para lhe permitir estar com o Christian. E toda aquela indecisão... Ela podia não saber o que queria, mas podia saber um pouco do que não queria, certo?Achei ridícula a falta de autocontrolo de Anastasia. Sim, sei que ela estava completamente apaixonada pelo Christian, mas não consegui deixar de pensar nela como uma simplória sem amor próprio.Acho que o que mais me desgostou neste livro, para além da falta de conteúdo/identidade da protagonista, com toda aquela excitação louca e exacerbada e sem controlo, foi que ela não fazia mais nada, não pensava em mais nada, parecia que Christian Grey era a única pessoa no mundo… Após alguns capítulos, depois de Anastasia conhecer o seu objecto de desejo louco, já achava o livro claustrofóbico e incrivelmente repetitivo… E todas aquelas indecisões da protagonista também deixaram o livro bastante maçador. No entanto, como toda a história que se preze, esta tem um ponto forte que me fez ler mais do que aquilo que tinha vontade de ler. Esse ponto foi Christian Grey: ele era magnetizante e, por mais estranho que pareça, foi, a meu ver, a personagem mais sincera e verdadeira que encontrei no livro, mesmo com as suas cinquenta sombras, feito que para mim não o engrandece, mas que contribui, e de que maneira, para diminui as outras personagens tão básicas e simples nas suas vontades. Read Less

  • Lurdes Graça Pereira da Silva

    Agosto 14, 2012 às 21:58
    Responder

    Ele é rico e dominador. Ela ingénua e inexperiente.Ele propõe-lhe um compromisso que não era exatamente o que ela esperava, mas um contrato de submissão. Ela sujeita-se com medo de o perder, dado que está apaixonada.Descobre prazer na dor, mas também anseia por mais.Que esconderá Christian Grey, além de ter sido submisso numa relação com uma amiga da sua mãe adoptiva aos 15 anos. Ele diz que essa relação o salvou.Apesar de pequenas conquistas, como a de conseguir dormir ao seu lado e do «sexo baunilha», ela não consegue compreender porque não o pode tocar. Porque toca ele músicas tão […] Ler Mais...Ele é rico e dominador. Ela ingénua e inexperiente.Ele propõe-lhe um compromisso que não era exatamente o que ela esperava, mas um contrato de submissão. Ela sujeita-se com medo de o perder, dado que está apaixonada.Descobre prazer na dor, mas também anseia por mais.Que esconderá Christian Grey, além de ter sido submisso numa relação com uma amiga da sua mãe adoptiva aos 15 anos. Ele diz que essa relação o salvou.Apesar de pequenas conquistas, como a de conseguir dormir ao seu lado e do «sexo baunilha», ela não consegue compreender porque não o pode tocar. Porque toca ele músicas tão tristes?Anastasia acaba por não aguentar a relação sádica e termina tudo.Ficamos à espera do próximo livro, para ver se conseguimos descobrir o segredo de Grey e como vai evoluir a relação destas personagens.Ficamos presos neste suspense. Read Less

  • Carla

    Agosto 4, 2012 às 23:33
    Responder

    Leio imensos romances sensuais e eróticos e posso dizer que este é do pior que já li na minha vida. E não é pelo tema, pois tenho mente aberta, é porque o texto é totalmente medíocre.A heroína é patética, os seus pensamentos são ridículos, a sua "deusa interior" é algo para o qual não encontro palavras e o uso constante de interjeições como "uau" e "eh lá!" são um completo turn-off. Expressões como "cabelo de queca", entre outras, são totalmente patéticas.Só posso crer que a fama deste livro foi uma bela jogada de marketing. Nem sequer consegui ler até ao […] Ler Mais...Leio imensos romances sensuais e eróticos e posso dizer que este é do pior que já li na minha vida. E não é pelo tema, pois tenho mente aberta, é porque o texto é totalmente medíocre.A heroína é patética, os seus pensamentos são ridículos, a sua "deusa interior" é algo para o qual não encontro palavras e o uso constante de interjeições como "uau" e "eh lá!" são um completo turn-off. Expressões como "cabelo de queca", entre outras, são totalmente patéticas.Só posso crer que a fama deste livro foi uma bela jogada de marketing. Nem sequer consegui ler até ao fim. Read Less

  • Fátima Rodrigues

    Julho 9, 2012 às 9:00
    Responder

    Antes de começar a ler este livro, livre-se de tudo o que já ouviu falar sobre ele, tudo o que já lhe disseram ou pensa encontrar e aceite de mente aberta o que ele lhe irá trazer. Depois deste conselho, deixem-me partilhar um pouco do que resultou da minha compulsiva leitura de 2 dias.Os primeiros seis capítulos são susceptíveis de enganar qualquer um e pouco têm a ver com o que depois irá encontrar. Surge-nos Anastasia Steele, uma finalista universitária aparentemente insegura, um pouco infantil e muito descoordenada. Esta irá entrevistar um mecenas da sua universidade, Christian Grey, CEO e […] Ler Mais...Antes de começar a ler este livro, livre-se de tudo o que já ouviu falar sobre ele, tudo o que já lhe disseram ou pensa encontrar e aceite de mente aberta o que ele lhe irá trazer. Depois deste conselho, deixem-me partilhar um pouco do que resultou da minha compulsiva leitura de 2 dias.Os primeiros seis capítulos são susceptíveis de enganar qualquer um e pouco têm a ver com o que depois irá encontrar. Surge-nos Anastasia Steele, uma finalista universitária aparentemente insegura, um pouco infantil e muito descoordenada. Esta irá entrevistar um mecenas da sua universidade, Christian Grey, CEO e multimilionário empresarial, de beleza incomparável, que nos surge como controlador, convencido e autoritário a roçar o inconveniente.Como comecei por escrever, é nesta altura que deve deixar tudo de lado e avançar para o sétimo capítulo, onde irá começar a conhecer a verdadeira Anastasia e o real ou não tão real Christian. Este é atormentado por sombras de uma infância muito traumática até aos 4 anos, altura em que foi adoptado pela família Grey. Anastasia revela-se corajosa e audaz, aberta ao desconhecido e decidida a trazer as cinquenta sombras de Grey para a luz. Mas será que tal é possível? Conseguirá esta jovem conviver com o inconstante Christian e com as suas estranhas formas de manter a sanidade mental e de viver o amor? Ou será apenas paixão e desejo?Neste livro, E. L. James consegue criar personagens bem construídas e complexas, ambientes extremos e sexualmente alternativos, sem que se tornem forçados nem nos surjam como atrozes e agonizantes. Ao mergulhar na leitura, sentir-se-á de tal forma cativo da mesma, que nem quando terminar o livro descansará. Tratando-se do primeiro de três, a acção termina num momento crítico e muito frustrante que deixará o leitor faminto pelo próximo volume.Mas será também um bom treino para o seu auto-controlo e domínio ter de esperar até Outubro, quando a Lua de Papel vai editar o segundo volume. Não será uma espera agradável, mas valerá a pena, certamente. Read Less

Comentar

Siga-nos no Facebook
Facebook Pagelike Widget
Últimos Livros Comentados
Tópicos recentes