As Ideias Políticas e Sociais de Jesus Cristo

FaceBook  Twitter  

 

 

Autor: Diogo Freitas do Amaral
Género: Estudos bíblicos
Edição: Nov/2019
Páginas: 96
ISBN: 9789722538626
Editora: Bertrand

 

 

 

Neste breve mas claríssimo ensaio, o autor, católico praticante de uma vida, Professor de Direito e autor de manuais sobre pensamento político do Ocidente, analisa as mensagens políticas e sociais de Jesus Cristo apresentadas nos quatro evangelhos que formam o Novo Testamento, no seu contexto histórico, e reflete sobre a sua continuada pertinência nos nossos dias.

«Não tenho credenciais para escrever sobre problemas teológicos, exegéticos ou hermenêuticos. Mas, tendo redigido, ao longo de vários anos de estudo e reflexão, uma História do Pensamento Político Ocidental, gostaria de aplicar os métodos que utilizei nesse trabalho ao estudo e comentário das ideias políticas, económicas e sociais de Jesus Cristo. (…) Penso que este breve opúsculo poderá ter uma dupla utilidade: para os cristãos, chamar de novo a sua atenção para o facto de que, como Jesus avisou, "nem todo aquele que diz ‘Senhor, Senhor’ entrará no reino do céu. Só aí entrará quem ouve [as] minhas palavras e as põe em prática" (Mateus 7, 21 e 24); para os não cristãos, para os que seguem outras religiões e para os não crentes, sublinhar que Jesus Cristo não tinha a intenção de pregar aos convertidos, mas sim aos que se sentiam perdidos ou incompletos na sua vida (…). Mesmo que não acreditem na divindade de Jesus, sei que há muitos agnósticos e ateus que reconhecem como excecionalmente boas as suas ideias políticas e, sobretudo, as sociais e que em larga medida as seguem.» (da Introdução)

Deste autor no Segredo dos Livros:
Memórias Políticas III (1982-2017)
Da Lusitânia a Portugal - Dois mil anos de história

Autor:

Diogo Freitas do Amaral foi uma figura nacional, reconhecido professor de Direito, político e escritor. Nascido na Póvoa de Varzim, de família vimaranense, em 21 de Julho de 1941, doutorou-se em 1967 e ascendeu a catedrático em 1984. Como fundador e primeiro presidente do CDS, foi um dos líderes dos quatro principais partidos políticos da Democracia portuguesa, em 1974 e nos anos seguintes. Foi conselheiro de Estado, Vice-Primeiro-Ministro, Primeiro-Ministro interino, Ministro dos Negócios Estrangeiros (2 vezes) e Ministro da Defesa Nacional. No plano internacional, foi presidente da UEDC – União Europeia das Democracias Cristãs (1981-83) e presidente da Assembleia Geral da ONU (1995-96). De regresso a Portugal, foi cofundador e primeiro diretor da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa.
Diogo Freitas do Amaral faleceu a 3 de outubro de 2019, e o País homenageou-o com honras militares, num reconhecimento sentido a um dos pais da Democracia portuguesa.

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • A Noite em que o Verão Acabou
    Pedro Taborda era um adolescente cuja família, a exemplo de muitas famílias portuguesas, tinha uma ...
  • 10.12.2019 14:38
  • Imortal (José Rodrigues dos Santos)
    Compro e leio os livros de José Rodrigues dos Santos que considero de ficção científica, porque gosto ...
  • 15.11.2019 22:00
  • Autópsia
    Lê-se na contrapaca deste livro que se trata de "uma arrepiante distopia, retrato de uma humanidade náufraga".
  • 21.10.2019 22:21

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Aquele que lê maus livros não leva vantagem sobre aquele que não lê livro nenhum."
Mark Twain