As Madrugadas em Jenin

FaceBook  Twitter  

Autor: Susan Abulhawa
Dimensão: 15x23
Páginas: 384
Editora: Quidnovi

Na sequência da proclamação do Estado de Israel, os habitantes da aldeia de Ein Hod são expulsos das suas casas e levados à força para um campo de refugiados administrado pelas Nações Unidas. Entre eles encontra-se Dalia, uma palestina lindíssima com dois filhos pequenos – Yousef e Ismael – que chama a atenção de um soldado israelita cuja mulher não pode ter filhos. No caminho para o campo de Jenin, entre a multidão em fuga, Ismael desaparece.
É Amal – nascida em Jenin alguns anos depois – quem vai contar-nos o destino trágico dos dois irmãos. Porque Ismael vai ser criado por uma família judia que o baptiza como David e, durante a guerra de 1967, achar-se-á frente a frente com Yousef, que o reconhecerá pela cicatriz que lhe atravessa o rosto e que ele próprio lhe causou na infância. E as consequências desse encontro serão irremediáveis.
Passado durante um dos conflitos políticos mais brutais da História, este romance magnificamente escrito e traduzido em várias línguas aborda questões como a amizade e o amor, a identidade perdida, o terrorismo, a rendição e a coragem de lutar pelos direitos mais básicos.

Autora:
SUSAN ABULHAWA é filha de refugiados da Guerra dos Seis Dias, altura em que a sua família foi separada e a terra onde viviam confiscada. Antes de ir para os Estados Unidos, viveu em inúmeros sítios, incluindo o Kuwait, a Jordânia e Jerusalém Oriental. Frustrada com as notícias tendenciosas sobre a condição precária dos palestinos, começou a escrever artigos de opinião para jornais americanos como o New York Daily News, o Chicago Tribune, o Christian Science Monitor e o Philadelphia Inquirer. Participou em duas antologias: Shattered Illusions (Amal Press 2002) e Searching Jenin (Cune Press 2003). Venceu o prémio Edna Andrade Fiction and Creative Nonfiction em 2006. Além disso, fundou a Playgrounds For Palestine, uma ONG que defende o direito das crianças palestinas a poderem brincar, mesmo sob ocupação.

Comentários  

 
+1 #1 Tanea Lopes Costa 2010-02-28 21:59
Apesar de ter muita vontade de ler este livro, confesso que adiei a sua leitura. Achava que a história merecia toda a minha atenção e não ser apenas um livro que leio para me distrair.

Foi um livro que me fez pensar, que me fez pesquisar mais sobre a história da Palestina e Israel, de tentar perceber porque e quando começou tanta dor e sofrimento para ambos os povos.

A luta de um povo pela reconquista da sua dignidade, as Madrugadas em Jenin conta-nos a história de uma família marcada pela guerra, onde a morte, a pobreza e a fome fazem parte do dia a dia.

Um livro intenso e comovente, bem escrito que cativa desde o inicio. Que nos faz pensar, rever algumas posições, e questionar qual o futuro da Palestina e de Israel, quando vai terminar tanta dor e sofrimento.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • Deixem Passar o Homem Invisível
    Dez anos depois de ter vencido o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB 2009, regressa em nova ...
  • 25.03.2020 23:36
  • O Caçador de Brinquedos
    Se gosta de ficção científica, não deixe de ler este livro! João Barreiros é considerado um dos ...
  • 12.03.2020 16:59
  • A Morte do Papa
    Depois de ter lido todos os livros anteriores de Nuno Nepomuceno, este foi o primeiro em que tive ...
  • 24.02.2020 00:22

Últimos Tópicos

    • Frecha
    • - Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 semana 10 horas
    • Frecha (Saga "Os castros")
    • "- Frecha, toda a magia tem um preço, sabes disso. Tens a certeza que queres...
    • há 1 semana 10 horas
    • Espaço para livros
    • Uma maneira simples e barata é embrulhá-los em rolo autoaderente, daquele que...
    • há 2 meses 4 dias
    • Melhores Livros De Romance
    • Obrigado pela partilha! Diversos desses livros têm nomes diferentes na edição...
    • há 2 meses 6 dias

Uma Pequena Palavra...

"Quem escreve lembra-me o afogado que desesperado esbraceja para vir à tona. O escritor é isso que faz. Dentro de si, por uma razão qualquer, escasseia o ar. Então, ofegante, arruma o pensamento de acordo com o que as palavras lhe permitem, e assim respira e alivia a sua angústia."
Nuno Lobo Antunes