As Sábias

FaceBook  Twitter  

 

 

  

 

 

Autor: Roger R. Talbot
Edição: Jun/2011
Páginas: 416
Editora: Edições Asa

"Ensinar-te-ei a usares os teus medos como alento, o teu corpo como arte, a tua voz como arma."

Salomé, Ana Bolena, Maria Callas, Jacqueline Kennedy...
Muitas mulheres poderosas têm escrito a História.
E se todas elas estiverem unidas por um segredo?
E se todas elas pertencerem a uma irmandade secreta e milenar?
Quem desvendar os seus enigmas possuirá a chave do mundo...

Um pouco por todo o globo, vários acontecimentos enganadoramente isolados põem em marcha um plano no qual a jovem Nadja tropeça involuntariamente. Só e desamparada desde a morte da mãe, uma atriz famosa cuja morte durante a rodagem de um filme foi considerada acidental, Nadja não se conforma com a indiferença das autoridades. Não poderia saber que em jogo está a mais espantosa revelação da História da Humanidade.  
Um romance irresistível, que cruza esoterismo e história, conspiração e suspense, sonho e realidade...

Autor:
Roger R. Talbot, irlandês de nascimento, reside em Itália há já quarenta anos, e é apaixonado por história, literatura e teologia.

Comentários  

 
-1 #3 Maria João 2011-09-27 13:33
Pronto, terminei. Como não consegui gostar do livro, demorei para o terminar. Não me prendeu, saltei alguns capítulos.
Irei voltar a tentar daqui a algum tempo.
 
 
+1 #2 Cristina Delgado 2011-09-10 08:02
Não sendo o meu género preferido de romance, este livro conseguiu captar a minha atenção e o meu interesse. É bem verdade que o meu gosto está mais ligado a romances, muitas vezes baseados em realidades mais ou menos próximas do meu mundo, mas esta escritora, com a sua escrita intensa e cheia de vivacidade, conseguiu introduzir-me num mundo mágico e, por vezes, cruel.

Os capítulos pequenos fazem-nos saltitar entre cenários diferentes, sem, contudo, nos perdermos na história, captando muito rapidamente os meandros da acção e as características da diversas personagens.

O mistério, o romance e a acção estão bem doseados e as suas 400 páginas passam-nos rapidamente por entre os dedos. Leitura simpática, recomendada para os amantes deste género de livros, com uma simbologia muito própria, muito embora não sejam os meus preferidos.
 
 
+1 #1 Helena 2011-07-25 23:10
"Único objectivo: Seduzir e subjugar os homens mais poderosos da Terra, para lhes orientar as escolhas. Porquê? Porque elas sabiam fazê-lo melhor."

Esta frase encantou-me e é um elogio fantástico às mulheres. Pena que elas próprias não se tenham em tão elevada consideração.

Um intrincado romance e um intenso thriller foi o que encontrei nesta surpreendente leitura.
Por desatenção, não li convenientement e a sinopse e esperava um romance sobre a argúcia e sensibilidade feminina que, depois de bem orientada e com instrução superior, permitira a algumas mulheres atingirem os seus objectivos.
Mas não contei com um poderoso e badalado oligarca russo envolvido em negócios sujos, mas que ainda assim é leal e não suporta a traição.

O autor cria uma enigmática história em pequenos capítulos que, depois de uma apresentação prévia, se vai desenrolando na mesma sequência de tempo e me manteve em suspenso.
Uma excelente leitura em tempo de férias.
 

Tem de iniciar sessão para submeter o seu comentário.

Últimas Opiniões

  • 25 de Abril, Corte e Costura
    Este livro é exatamente o que eu esperava dele: uma sucessão de quadros em que se ridiculariza a ...
  • 28.04.2019 21:03
  • A Aluna Americana
    Este é o mais recente romance de João Pedro Marques, autor de, entre outros, "Uma Fazenda em África" ...
  • 25.04.2019 20:42
  • O Último Cabalista de Lisboa
    Consegui, finalmente, ler este livro que foi o primeiro romance de Richard Zimler. Publicado em 1996 ...
  • 07.04.2019 23:56

Últimos Tópicos

Uma Pequena Palavra...

"Algumas obras morrem porque nada valem; estas, por morrerem logo, são natimortas. Outras têm o dia breve que lhes confere a sua expressão de um estado de espírito passageiro ou de uma moda da sociedade; morrem na infância. Outras, de maior escopo, coexistem com uma época inteira do país, em cuja língua foram escritas, e, passada essa época, elas também passam; morrem na puberdade da fama e não alcançam mais do que a adolescência na vida perene da glória. Outras ainda, como exprimem coisas fundamentais da mentalidade do seu país, ou da civilização, a que ele pertence, duram tanto quanto dura aquela civilização; essas alcançam a idade adulta da glória universal. Mas outras duram além da civilização, cujos sentimentos expressam. Essas atingem aquela maturidade de vida que é tão mortal como os Deuses, que começam mas não acabam, como acontece com o Tempo."
Fernando Pessoa, in Heróstrato