As Sílabas de Amália

Autor: Manuel Alegre
Género: Poesia
Edição: Jul/2020
Páginas: 56
ISBN: 9789722070676
Editora: Dom Quixote

 

 

A 23 de julho celebra-se o centenário do nascimento de Amália Rodrigues. Num texto sobre Amália, publicado no livro Uma Outra Memória e incluído nesta obra de homenagem, escrevia assim Manuel Alegre: «Todo o canto, como a poesia, é uma questão de ritmo. Ou de batida. O ritmo de Amália é o ritmo das marés, a sua batida a do nosso mar. Ela podia cantar flamenco ou tango, espirituais negros ou jazz, podia entoar uma fuga de Bach, trautear as incomparáveis harmonias de Mozart. Mas ela canta isso tudo e um pouco mais. Canta o fado no sentido em que dele fala Camões.

Quando ela diz fado está a dizer o nosso próprio nome e pronuncia essa palavra com a mesma entoação que provavelmente Camões lhe dava. Suspeito mesmo que foi para ela que Camões escreveu alguns dos poemas que Alain Oulman transformou em fado.»
As Sílabas de Amália é uma obra singular que reúne os quatro poemas de Alegre que Amália cantou, os que sobre ela escreveu e aqueles que exprimem uma visão do fado que, em grande parte, o poeta ficou a dever a Alan Oulman e a Amália Rodrigues. Inclui, ainda, um poema inédito de tributo a Amália.

Deste autor no Segredo dos Livros:
Os Sonetos de Manuel Alegre
Alma
Todos os Poemas São de Amor
Auto de António
Jornada de África
O Canto e as Armas

Autor – Manuel Alegre

Autor:

Manuel Alegre nasceu em Águeda em 1936 e estudou Direito na Universidade de Coimbra, onde participou ativamente nas lutas académicas. Obrigado a prestar serviço militar, foi mobilizado para Angola, onde participou na primeira tentativa de rebelião contra a guerra colonial. Preso pela PIDE em Luanda durante 6 meses, foi recambiado para a Metrópole, com residência fixa em Coimbra. Seguiu-se o exílio em Argel, onde foi membro diretivo da F.P.L.N. e locutor da rádio Voz da Liberdade. A sua atividade política andou sempre a par da atividade literária e alguns dos seus poemas transformaram-se em hinos de combate ao fascismo, cantados por Adriano Correia de Oliveira ou Manuel Freire. Os seus dois primeiros livros, “Praça da Canção” (1965) e “O Canto e as Armas” (1967), foram apreendidos pela censura, mas passavam de mão em mão em cópias clandestinas, manuscritas ou dactilografadas. Regressado do exílio em 1974, entrou para o Partido Socialista. Foi deputado da Assembleia da República até 2009, foi membro do Governo e tem um lugar no Conselho de Estado. Funcionou muitas vezes como uma espécie de consciência crítica do seu partido, nomeadamente quando concorreu à Presidência da República contra Mário Soares.
Recebeu inúmeros prémios e condecoração nacionais e estrangeiras, destacando-se o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários pelo conjunto da sua obra e o Prémio Pessoa 1999. Foi eleito sócio efetivo da Academia das Ciências de Lisboa em 15 de novembro de 2016.
A sua obra poética foi reunida no volume “Trinta Anos de Poesia” (1997). Escreveu também prosa em livros como “Jornada de África” (1989), “Alma” (1995), “A Terceira Rosa” (1998) ou “Cão Como Nós” (2002). Fez uma incursão na literatura infantil, com obras como “Uma Estrela Como Nós” (2005), “Barbi-Ruivo” (2007) ou “As Naus de Verde Pinho” (2014).
Entre as suas obras mais recentes, destaca-se o livro “Senhora das Tempestades” que vendeu 14.000 exemplares só no primeiro mês, o “Livro do Português Errante” e “Cão como nós“, que já vai na 20ª edição. A sua obra está editada em diversas línguas, nomeadamente italiano, espanhol, alemão, catalão, francês, romeno e russo.

0 comentários
0 likes
Anterior: D. Maria I – As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como «a louca»Seguinte: Se Eu Fosse Muito Pequenino

Comentar